• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 
Audiência na TV

Quinta-feira, 12 de Dezembro de 2019

Boa dica Netflix? "História de um casamento".
Audiência na TV

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook

Conexão TV

Quinta-feira, 12 de Dezembro de 2019

Charlie Sheen, a lenda, comemora dois anos longe das drogas

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > saúde > bem estar

Saúde - Bem Estar

 

Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

Vacina contra o câncer? Americana é a primeira mulher a indicar cura

Lee Mercker: caso inédito e comprovado
Lee Mercker: caso inédito e comprovado

Há de se ter cautela a escrever e principalmente ler notícias que dizem respeito a uma eventual cura de pacientes com câncer a partir de remédios da chamada alopatia ou mesmo da Medicina Alternativa. Dito isso a gente replica aqui em Conexão Jornalismo esta reportagem que é trazida pelo site Catraca Livre - pela sua relevância. A americana Lee Mercker é a primeira mulher a matar as células cancerígenas com a ajuda de uma vacina promissora que vem sendo testada nos Estados Unidos.



Em março deste ano, Mercker foi diagnosticada com câncer de mama ainda na fase inicial da doença e foi selecionada para participar de um ensaio clínico para a nova vacina na Clínica Mayo, entidade que tem desenvolvido a imunização.

Durante 12 semanas, Lee Mercker tomou de três a quatro doses da vacina, com um intervalo de duas semanas entre as aplicações. Nesse período, o tumor da paciente foi diminuindo e ela já não apresentava mais células cancerígenas em seu organismo.

Apesar do resultado positivo, Mercker ainda foi submetida a uma mastectomia dupla (retirada das mamas) para garantir que o câncer estivesse completamente fora do corpo, já que a vacina era apenas um teste. O tecido mamário removido agora passará por uma análise e novos estudos na Clínica Mayo.


Como funciona a vacina


De acordo com os pesquisadores do centro médico, a vacina estimula a resposta imune do próprio paciente para que as células T sejam capazes de reconhecer substâncias anormais relacionadas a tumores e, assim, possam atacar e destruir o câncer.

Futuro da vacina


A droga ainda tem um longo caminho pela frente, mas acredita-se que seja promissor. Após a experiência em Mercker, os cientistas já começaram a experimentar a vacina em outras duas pacientes e também estão procurando por mais participantes dos testes clínicos.

"Realmente, acho que uma vacina contra o câncer de mama é apenas uma questão de tempo", disse o médico pesquisador Keith Knutson. Ele também informou que a Clínica Mayo está atualmente trabalhando em várias vacinas destinadas a prevenir e combater o câncer.

Como reduzir o risco do câncer de mama
O câncer de mama tem altas chances de cura quando descoberto no início, por isso, é de fundamental importância a realização de exames de prevenção.

No Brasil, a recomendação é que mulheres façam mamografia anualmente a partir dos 40 anos de idade. Antes disso, a indicação é apenas para quem tem histórico da doença na família.

Além de realizar exames preventivos com frequência, a adoção de alguns hábitos de vida saudáveis, podem diminuir o risco de desenvolvimento da doença; são eles:



Manter uma dieta balanceada, rica em frutas e vegetais e com pouca gordura;
Praticar atividades físicas regulares, pelo menos por 1 hora, 3 dias por semana;
Evitar sobrepeso;
Evitar fumar;
Quando amamentar, fazê-lo pelo maior número de meses possível;
Evitar ingestão alcoólica excessiva, mais de três drinques de alto teor alcoólico por dia.



De acordo com o Ministério da Saúde, estima-se que por meio da alimentação, nutrição e atividade física é possível reduzir em até 28% o risco de a mulher desenvolver câncer de mama.

Ainda de acordo com um levantamento feito por instituições brasileiras e americanas, em parceria com o Ministério da Saúde, 12% das mortes causadas pela doença no Brasil poderiam ser evitadas caso as mulheres praticassem atividades físicas regularmente.

* Durante um ano o nosso site deu amplo destaque à Fosfoetanolamina sintética. O repórter Rogério Imbuzeiro se tornou um especialista no assunto e, junto a ele, criamos laços fortes com muitos pacientes e parentes. Com o passar do tempo algumas mortes foram registradas e a euforia inicial arrefeceu. Mas a esperança será permanente e a crença de que chegará o dia em que a cura virá, seja através de laboratórios ou mesmo da medicina alternativa, permanece intocada (Fábio Lau).

 

Veja também:

>> Morales alerta que há um golpe em curso para destituí-lo do poder

>> Rio sem senador progressista

>> Capela dos Milagres: point do casamento exclui nativos alagoanos

>> EC Bahia lança camisa com críticas ao óleo derramado na costa do nordeste

>> Crítica & Literatura: Os dias duros da infância

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Vacina contra o câncer? Americana é a primeira mulher a indicar cura
 

Copyright 2019 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!