• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 

Conexão TV

Sábado, 17 de Abril de 2021

Jornalista teria sido vítima de racismo dentro da CNN

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > saúde > bem estar

Saúde - Bem Estar

 

Segunda-feira, 15 de Fevereiro de 2021

"Perdi, senhor, perdi": com oito tiros nas costas, PM assassina mais um jovem negro

 Alan Diego tinha 23 anos e era cabelereiro - Foto: Arquivo Pessoal
Alan Diego tinha 23 anos e era cabelereiro - Foto: Arquivo Pessoal


Por Igor Carvalho

Na noite do dia 2 de fevereiro, o cabeleireiro Alan Diego foi assassinado por policiais militares no bairro de São Sebastião, na zona oeste de Franca, interior de São Paulo, com oito tiros nas costas.

A morte do jovem, de 23 anos, fez com que a população local fosse às ruas em uma série de protestos no município.

De acordo com testemunhas, Alan, que tem antecedentes criminais por furto e tráfico de drogas, fugiu assim que foi abordado pelos policiais militares. Os agentes disparam os primeiros tiros e um deles acertou o jovem já na rodovia Cândido Portinari (SP-334), cerca de 30 metros depois.

Já caído e ainda consciente, Alan teria levantado a camiseta para mostrar que estava desarmado e gritou "perdi, senhor, perdi". Ainda de acordo com testemunhas, os policiais teriam pedido ao jovem que virasse de costas e o acertaram com mais sete tiros à queima roupa.

Na primeira versão, a Polícia Militar informou que o jovem teria sacado uma arma e tentado atirar nos agentes. Porém, no dia 3 de fevereiro, a corporação reconheceu que os agentes não foram alvos de tiros.

Após a morte, moradores da região protestaram contra a ação policial. A população chegou a colocar fogo em um ônibus. O ato foi dispersado pela PM, que usou bombas de gás lacrimogêneo.

O Conselho Municipal de Participação e Desenvolvimento da Comunidade Negra de Franca (Condecon), pediu que o caso seja apurado com celeridade.

"É preciso que a investigação aconteça e que tudo seja desvendado. Seja pela Corregedoria da Polícia Militar do Estado de São Paulo para apurar a conduta dos policiais na operação, seja pelo Ministério Público, com a função de processar infratores e fiscalizar ações de órgãos públicos envolvidos em investigação criminal, como polícia e órgãos de perícia."

O movimento criticou a corporação. "Alan Diego, jovem, preto, 23 anos, nosso irmão, morto com 8 tiros certeiros de 18 disparados. Não irão nos calar, por Alan, por todes".

"Diante dessa realidade cruel não podemos nos omitir e assistir passivamente a esse verdadeiro massacre de corpos negros. 79,1% das pessoas mortas pela polícia brasileira em 2019 eram negras de acordo com os dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública. É hora do basta!", conclui o texto.

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo (SSP-SP) informou que o caso será investigado pela Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Franca e que os policiais que realizaram a operação que culminou na morte de Alan foram deslocados para funções administrativas.

Do Brasil de Fato

 

Veja também:

>> Dino diz que decreto das armas de Bolsonaro atende milícias e projeto de golpe

>> Fachin, o tolerante, diz ser "intolerável" tuíte de General Vilas Boas

>> Rio interrompe imunização por falta de vacina e Bolsonaro aglomera no Sul

>> Desembargador Eduardo Siqueira é flagrado novamente sem máscara

>> Lava-Jato: Curitiba tentou coagir Rosa Weber com imprensa e Sergio Moro

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
"Perdi, senhor, perdi": com oito tiros nas costas, PM assassina mais um jovem negro
 

Copyright 2021 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!