• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 

Conexão TV

Domingo, 17 de Fevereiro de 2019

RPM: nova formação gera crise com Paulo Ricardo - vídeo

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > saúde > bem estar

Saúde - Bem Estar

 

Domingo, 10 de Fevereiro de 2019

O que matou os meninos do Flamengo não foi a falta de alvará, mas o dinheiro


Por Fernando Brito, do Tijolaço


Os meninos do Flamengo não tiveram uma morte horrenda por "falta de alvará". Falta de alvará não pega fogo em alguns segundos, falta de alvará não impede que garotos daquela idade, atletas,não tenham chance de fugir de um incêndio que se inicia, falta de alvará não transforma aquelas crianças no que viraram, mercadoria estocada em contêineres para ser vendida, daqui a pouco, a peso de ouro.



Pois foi isso que matou os moleques bons de bola: serem bons de bola e o fato de o Brasil ter voltado a ser um exportador de commodities humanas, cavadas por toda a parte e "peneiradas" por uma associação entre clubes de futebol e "empresários" picaretas, à procura do que possa dar lucro, lucro grande, milionário, com meninos que. com sete, oito anos, são privados da infância porque, além de representarem esta possibilidade, representam também a possibilidade, decerto a única, de tirar a família da pobreza.

Sob os olhos complacentes da mídia, este garimpo se desenvolveu. Distribuíram-se "franquias" de "escolinhas de futebol" pelas periferias e pelo interior, com pouco ou nenhum interesse desportivo ou educacional, mas sempre atentas a um garoto que "pode dar caldo". De lá, acabam indo para as "peneiras finas", como a que se incendiou na madrugada de hoje.

Semana passada, por acaso, dirigindo, escutei um programa na CBN onde o ex-jogador Zé Elias e dois psicólogos do esporte falavam da pressão sobre os garotos que vão ser filtrados. E como tudo o que importa é o "corte" que faz, de cem, virarem três ou quatro. Em nenhum momento se destacou a formação de guris que eram pré ou adolescentes, exceto pelo que tentavam administrar, cheios de medo, das relações com dinheiro e ambições. Escola não era um elemento significativo nas narrativas.

Nada contra o talento, ainda mais para quem, desde criança, embora sem tê-lo nos pés, sempre gostou do futebol bem jogado. Mas tudo em favor das crianças, que não podem ser tratadas assim. Não podem ser apartada das famílias, de seu ambiente cultural, de suas âncoras de formação da personalidade.

Não pode haver o "colégio interno de boleiros".

A falta de alvará e as 30 autuações do "Ninho do Urubu" só importam por revelarem a cumplicidade com que são tratados os grandes clubes de futebol, porque isso nunca foi notícia, porque a ninguém interessava indispor-se com um grande clube, assim como não havia quem fosse se indispor com a Vale.

O que matou os meninos, está evidente, foi morarem dentro de um contêiner de porta minúscula, forrado de plástico que "lambeu" como o papel fino de um balão japonês.

Não faltavam, na construção do "Ninho do Urubu", profissionais e técnicos que dissessem o quanto aquilo era inseguro. Mesmo que fosse para tratar crianças como mercadorias preciosas que eram, para os donos da bola.

Se são preciosos, não podiam ser empilhados sem zelo.

Sem o amor e o cuidado que toda criança merece.

 

Veja também:

>> Chico César lança música em "homenagem" à família Bolsonaro - vídeo

>> Flamengo: incêndio no Ninho do Urubu deixa dez mortos

>> Federação do Rio cancela Fla X Flu do fim de semana

>> Área da tragédia rubro negra só poderia ser usada como estacionamento

>> América Latina é a região mais desigual do planeta

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
O que matou os meninos do Flamengo não foi a falta de alvará, mas o dinheiro
 

Copyright 2019 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!