• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 

Conexão TV

Terça-feira, 21 de Novembro de 2017

Funcionários do SBT cancelam festa de fim de ano por conta das demissões

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > saúde > bem estar

Saúde - Bem Estar

 

Terça-feira, 29 de Agosto de 2017

Leucemia: doença ainda é um mistério no país

Da Redação

Leucemia - imagem da internet
Leucemia - imagem da internet

Embora seja uma doença que atinge um percentual significativo da população, e acometido uma das atrizes mais populares do país, Drica Moraes, que conseguiu superá-la, a leucemia segue como uma enfermidade desconhecida do brasileiro. Neste artigo, Monika Conchon, onco-hematologista e integrante do corpo clínico do Alta Excelência Diagnóstica, explica os métodos de diagnóstico e a importância dos exames. Leia aqui.



Apesar de termos um número bastante elevado de informações de confiança acessíveis à população, seja através do rádio, da TV ou da internet, algumas doenças ainda permanecem um mistério para a maioria das pessoas, como a leucemia. Em 2015, uma pesquisa do Ibope mostrou que metade dos brasileiros desconhecia que tipo de doença ela é e 20% dos entrevistados nem ao menos sabiam se tratar de uma patologia. Tomada erroneamente como uma única doença, o termo refere-se a um grupo de diversos tipos de câncer que atacam a medula óssea, que produz as células sanguíneas conhecidas como glóbulos vermelhos, responsáveis pelo transporte de oxigênio; os glóbulos brancos, que combatem as infecções do organismo; e também as plaquetas, que ajudam na coagulação.



Drica Moraes: a cura pelo tratamento
Drica Moraes: a cura pelo tratamento  
A doença, que está entre os 10 tipos de câncer mais incidentes nos homens e acomete mais de 10 mil pessoas por ano apenas no Brasil, segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), se origina quando algumas dessas células sofrem mutações e acabam se tornando células de leucemia, ou neoplásicas, que substituem as versões normais e saudáveis, dificultando o funcionamento correto do corpo. E o mais alarmante sobre as patologias? Mais de 6.300 pessoas morrem por ano por complicações decorrentes da doença.

Sendo patologias diferentes, elas apresentam sintomas que não coincidem uns com os outros e demandam tratamentos específicos, o que quebra o pensamento popular de que a leucemia é um único câncer. Segundo a Dra. Monika Conchon, onco-hematologista e integrante do corpo clínico do Alta Excelência Diagnóstica, são muitos os fatores que contribuem para que um tipo ou outro de leucemia seja identificado. No geral, elas são divididas em dois grandes grupos: as mieloides e as linfoides, diferenciadas pela origem celular. Também podem ser de caráter agudo ou crônico, baseando-se no tipo da célula. A leucemia linfoide aguda (LLA), por exemplo, corresponde a cerca de três quartos dos casos de leucemia entre crianças e adolescentes de 0 a 18 anos.

 Dra. Monika Conchon
Dra. Monika Conchon  

"É mito achar que as leucemias são hereditárias. Elas não são passadas de pais para filhos; todos os casos dessas patologias se desenvolvem de forma adquirida, e os melhores exames de análises clínicas para diagnosticar a doença são: o mielograma, que avalia a medula óssea; a imunofenotipagem, que analisa as células de determinado tecido; o cariótipo, que percebe a quantidade e a estrutura dos cromossomos de uma célula; e os marcadores moleculares", explica a Dra. Monika.



No início, os sintomas de um paciente com algum tipo de leucemia são bem gerais, podendo ser confundidos com uma virose simples. Na maioria dos casos, são observados tontura, fadiga, fraqueza, febre, dor de cabeça, perda de peso e outros indícios da mesma natureza. Em pouco tempo, alguns sintomas tornam-se mais característicos dessas patologias, como dor nos ossos e nas articulações, infecções frequentes, sangramento da gengiva e aparecimento de hematomas. Uma vez identificado, o câncer em questão será tratado de acordo com seu tipo e intensidade, podendo ser erradicado com radioterapia, quimioterapia, transplante de medula óssea ou terapia dirigida.

"Tratando-se de um grupo heterogêneo de doenças, cada uma delas tem seus sintomas e tratamentos distintos, então, é essencial que o caso seja observado de perto por um especialista qualificado, de maneira que a abordagem mais eficaz para cada tipo de leucemia e sua duração seja discutida com o paciente", conta a médica. Como apenas uma pequena fração das leucemias é associada à exposição a irradiações ou algumas substâncias tóxicas, não é possível prevenir o desenvolvimento desse tipo de câncer de maneira direta.

Drica Moraes




A atriz Drica Moraes teve diagnosticado seu caso de mieloide aguda em 2010. Um ano depois retornou às novelas. Seu tratamento, revelou a atriz na época, consistiu em quimioterapia e o transplante de medula óssea. Inicialmente foram impostas algumas privações, como comer alimentos crus e até receber flores.



 

Veja também:

>> Botafogo tem medo do Flamengo? - vídeo

>> Governo Temer já estoca dinheiro aguardando nova delação do PGR

>> Amigo de Moro não vai mais representar procurador da Lava-jato

>> CNBB divulga nota em repúdio a fim de reserva amazônica

>> Lava-Jato: ufanismo na tela e indiferença na plateia

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Leucemia: doença ainda é um mistério no país
 

Copyright 2017 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!