• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > política > internacional

Política - Internacional

 

Sexta-feira, 16 de Fevereiro de 2018

Guerra Fria de volta: almirante americano reclama de proximidade da Rússia com AL

Almirante americano e o discurso intervencionista típico dos EUA
Almirante americano e o discurso intervencionista típico dos EUA

O mundo, e não apenas o Brasil, mergulharam de cabeça na década de 80. A Guerra Fria também parece estar de volta.Para o almirante e chefe do comando Sul norte-americano, Kurt Tidd, a proximidade nas relações entre alguns países do continente e a Rússia representam riscos. A declaração se torna ainda mais preocupante quando o governo americano ameaça intervir na Venezuela. A informação é da agência Sputnik.



"O crescente papel da Rússia no nosso hemisfério é muito preocupante, dada a sua inteligência e capacidade cibernética, bem como a sua intenção de minar a estabilidade e a ordem internacional e desacreditar as instituições democráticas", disse Tidd perante um comitê do senado norte-americano.

Acrescentou que, se não for controlada, a presença de Rússia poderia se tornar "uma ameaça crítica para os EUA".

De acordo com o militar norte-americano, um maior acesso da Rússia aos postos em Cuba, Nicarágua e Venezuela torna possível "uma coleta de inteligência marítima mais frequente e uma demonstração de força no hemisfério ocidental".

"As relações sólidas com os três países fornecem à Rússia uma plataforma regional para focalizar as instalações e ativos dos Estados Unidos e das nações parceiras", salientou.

Tidd acrescentou que "a Rússia é um concorrente estratégico que tenta ativamente enfraquecer as alianças dos EUA e prejudicar seus interesses na região".

A Rússia tenta difundir informações falsas na América Latina através de seus meios de comunicação em espanhol, declarou Tidd.

"Moscou tenta moldar falsamente o ambiente informativo da América Latina através de seus dois serviços dedicados a notícias e informações em espanhol, e através de suas campanhas de influência para afetar o sentimento público", disse.

No início de fevereiro, o Ministério russo do Exterior declarou que a política da Rússia para a América Latina "é aberta, não se baseia em ideologia, que carece de uma agenda oculta e não está dirigida contra ninguém". A chancelaria russa também salientou que as relações com os Estados da América Latina são baseadas em interesses comuns e que a cooperação desenvolve-se em vários domínios.

O Ministério do Exterior russo fez as declarações em resposta às palavras do secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, que em 1 de fevereiro questionou a crescente presença da Rússia na América Latina.

 

Veja também:

>> Bob Fernandes e a "Solução final"

>> Pezão pede e Temer intervém na Segurança Pública com Exército

>> Jatinho derrubou candidatura de Lucicano Huck

>> A "invulnerabilidade" da urna eletrônica volta ao debate

>> A Tuiuti e o discurso de Geraldo Vandré: um encontro meio século depois

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Guerra Fria de volta: almirante americano reclama de proximidade da Rússia com AL
 

Copyright 2018 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!