• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 

Conexão TV

Quinta-feira, 10 de Outubro de 2019

Guga Chacra "esculacha" Eduardo Bolsonaro

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > política > internacional

Política - Internacional

 

Sábado, 18 de Maio de 2019

Crítica & Literatura: Paixões góticas para as tardes de outono

Paixões góticas para as tardes de outono



*Por Olga de Mello*

A trama é conhecida. Mulher jovem, um tanto ingênua, desprovida de parentes ou
amigos, casa-se com homem maduro e rico, vão morar na mansão da família dele, em região fria e soturna, onde há fantasmas/criados ou parentes saudosos/ para assombrar a jovem noiva. Há pelo menos 250 anos o romance gótico usa a mesma fórmula para arrebatar o interesse de multidões. Com elementos da atualidade (referências a redes sociais, astros pop e cenas de sexo mais explícitas do que em seus primórdios), o gênero se mantém vivo em títulos como A criança do fogo (Bertrand Brasil, R$ 46,90), de S.K. Tremayne, contrariando previsões de quem previa sua extinção pela banalidade dos enredos, dois séculos atrás.






Entre os detratores do romance gótico, o maior destaque foi Jane Austen, que o
considerava diversão vulgar para jovens descerebradas e até criou, para satirizá-las, a protagonista de A Abadia de Northanger (BestBolso, R$ 24,90), que espera viver uma aventura romântica em cenário sombrio.

A despeito do desprezo da crítica, um clássico da literatura inglesa, Jane Eyre (Zahar, R$ 64,90), traçou o roteiro do romance gótico que se mantém até os dias de hoje: jovem preceptora pobretona é seduzida por um homem de passado misterioso, que esconde a existência de sua amalucada mulher, de quem ele nunca se divorciou.










Misturando elementos semelhantes, em 1938, a inglesa Daphne du Maurier lança Rebecca, a mulher inesquecível (Amarilys, R$ 40), no qual um ricaço leva a noiva para morar em sua espetacular propriedade na Inglaterra.
Se a protagonista jamais tem seu primeiro nome revelado - é conhecida apenas por Mrs de Winter, depois do casamento -, todos falam sem parar sobre a primeira mulher do marido, um fantasma tão presente quanto assustador. O sucesso de Rebecca, principalmente depois da adaptação cinematográfica estrelada de Alfred Hitchcock, até hoje levanta polêmica noBrasil, onde, em 1934, Carolina Nacubo publicara A sucessora (Instante, R$ 42,90). Os dois romances falam de uma jovem casada com um viúvo que não consegue deixar para trás a memória de sua primeira mulher, devido ao empenho de uma governanta e cultua a imagem da ex-patroa. (Não seria a única suspeita de plágio envolvendo Daphne du Maurier: a autoria de seu conto Os pássaros, lançado em 1952, e transformado em filme de Hitchcock em 1963, chegou a ser contestada por Frank Baer, autor de romance com o mesmo título, publicado em 1936. Como Carolina Nabuco, no entanto, ele desistiu de processar a inglesa).


A criança do fogo tem como cenário hostil penhascos na Costa da Cornualha, que encobrem minas de carvão desativadas. Numa delas desapareceu a primeira mulher do advogado bem sucedido, casado com Rachel, a narradora, de uma ingenuidade impressionante para alguém de 30 anos em tempos de Internet. A função de cultor da imagem da falecida fica a cargo do enteado da mocinha, vinda de um meio paupérrimo. Tremayne, um dos pseudônimos do prolíficuo jornalista Sean Thomas, autor de thrillers com temas religiosos e arqueológicos, não tem a força estilística de Daphne du Maurier. Sua protagonista tem personalidade tão densa quanto as mocinhas de romances vendidos em banca de jornal. O príncipe encantado muda de atitude de maneira mais surpreendente que Danaerys deixando em cinzas Porto Real, em Game of Thrones. Mas o livro, numa edição caprichada, com reproduções de fotografias da inóspita região, é de leitura fácil e agradável em tardes chuvosas de outono.


* Olga de Mello é jornalista, cronista, crítica literária e escreve aos sábados em Conexão Jornalismo.

 

Veja também:

>> Barão de Itararé, Vinícius de Moraes e a queda que parece inevitável de Bolsonaro

>> O arrependimento de Lobão e o preço de ser bufão

>> Maré de azar: desabamento fecha túnel e isola Zona Sul do Rio

>> Orçamento de R$ 10 bi faz do Congresso brasileiro o segundo mais caro do mundo

>> Ex-aliados, policiais criticam Bolsonaro e Moro e prometem paralisação

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Crítica & Literatura: Paixões góticas para as tardes de outono
 

Copyright 2019 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!