• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 

Conexão TV

Quinta-feira, 16 de Novembro de 2017

Justiça condena Pânico na Band a indenizar Agnaldo Silva

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > política > geral

Política - Geral

 

Quarta-feira, 13 de Setembro de 2017

Santander: Roger ofende Adriana Varejão que defendeu liberdade da arte

Imagem divulgada por Roger
Imagem divulgada por Roger
O músico Roger, animador musical do programa de Danilo Gentili, mais uma vez fez uso da grosseria para buscar a mídia. Ele fez desenhos ofensivos sobre a imagem da artista plástica Adriana Varejão por discordar da defesa que ela fez do direito irrestrito da exposição artística. A polêmica teve início após o Movimento Brasil Livre, de ultra-direita, simpatizado por Roger, ter forçado a cancelamento da exposição Quero Museu, em Porto Alegre. Os argumentos de Varejão foram publicados no site Agora é Que São Elas, que defende o empoderamento feminino.

Adriana Varejão: "a arte deve ter liberdade total"

POR #AGORAÉQUESÃOELAS

A mostra "Queermuseum - Cartografias da Diferença na Arte Brasileira" - realizada pelo Santander Cultural, com curadoria de Gaudêncio Fidelis e sediada em Porto Alegre - foi cancelada após protestos virtuais.


A polêmica tomou conta das redes e das comunidades epistêmicas que debatem arte e liberdade de expressão.

A seleção trazia 270 obras que abordavam gênero e diversidade.

Grupos conservadores, reacionários de diferentes matizes correram para condenar as obras: zoofilia, pedofilia, blasfêmia.

Dentre os grupos e indivíduos mais ativos na demanda pelo fechamento da mostra estão o MBL e o Deputado Jair Bolsonaro.

Em meio as artistas cujas obras compunham o acervo interditado está Adriana Varejão, artista plástica carioca reconhecida internacionalmente, expoente da arte contemporânea brasileira e mundial, de sucesso e relevância artística inquestionáveis.

Suas obras foram reiteradas vezes recebidas com celebração por instituições como o MOMA de NY, a Tate Modern em Londres e a Fundação Cartier de Paris.

No entanto, seu trabalho foi nomeado de "arte degenerada" pelos leigos e violentos conservadores brasileiros.

Quem ou o que será, de fato, degenerado?

A repercussão a respeito do cancelamento da mostra foi gigantesca.

De Los Angeles, onde está montando uma exposição, Adriana generosamente concedeu a este blog uma breve entrevista, ainda sob o impacto dos últimos acontecimentos.

#AEQSE: Você é uma artista consagrada, reconhecida internacionalmente e cuja obra é atravessada por narrativas transgressoras. Como você enxerga esse epsódio à luz de toda sua produção que elabora o sexo, gênero, erotismo, toda sorte de modalidades de existencia e uso dos corpos?

AV: Devemos sempre lembrar que arte habita no campo da representação. A escrita de Sade por exemplo opera sobre a linguagem, não sobre os corpos. Quando corta e torce, o faz como um gravador que arranha, raspa, joga ácido e faz sulcos sobre o metal.

Nesse sentido a arte deve ter liberdade total, e não pode sofrer qualquer tipo de censura. No caso do episódio em questão, um público mal informado está entrando num território diferente, de experimentação, de liberdade.

#AEQSE: À luz da história da arte e seu papel nas socidedades, e tendo em vista o recrudescimento do conservadorismo quando o tema é arte e corpos livres, como você percebe a ação daqueles que demandaram o fechamento da mostra e os que concordam com ela? Como você avalia o papel do Santander Cultural e instituições análogas no mercado das artes?

AV: As pessoas que pediram o fechamento da mostra não tem a menor idéia do que é arte e isso é lamentável. Além disso, espaços culturais de empresas comprometidos com imagem pública vivem uma contradição, um conflito de interesses. Esse é um papel importante institucional - o de formar e informar o público. Muitas vezes estas instituições não estão preocupadas com a arte e sim em não arranhar sua imagem.

O espaço da criação é ilimitado e pode ser o de uma folha de papel. Sade escreveu grande parte de sua obra numa cela. É importante fazer o que se quer e jamais se sentir limitado ou acuado. Eu sempre respeitei meus princípios artísticos e sustentei minhas posições.

#AEQSE: Gênero em algum momento deixará de ser tabu?

AV: Existe um grande caminho pela frente, muitas barreiras morais a serem quebradas. Vai haver reação de alguns grupos, mas acredito que os avanços no sentido da liberdade e da igualdade de gênero continuarão. Quanto mais falarmos sobre isso melhor.

 

Veja também:

>> Comandante-geral dos Bombeiros pede exoneração após denúncias de corrupção

>> Traficantes de drogas mandam pai de santo destruir templo de umbanda - vídeo

>> Presidente da Friboi, Wesley também é preso pela PF

>> Garotinho é preso no Rio

>> Bizarrice na TV: Zezé Di Camargo quer a volta da ditadura - vídeo

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Santander: Roger ofende Adriana Varejão que defendeu liberdade da arte
 

Copyright 2017 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!