• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 
Audiência na TV

Sábado, 15 de Dezembro de 2018

Castrinho é acusado de abuso sexual por Iris Bruzzi. Ele nega
Audiência na TV

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook

Conexão TV

Quarta-feira, 05 de Dezembro de 2018

Após massacre ao cão, Masterchef omite nome do Carrefour do programa

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > política > geral

Política - Geral

 

Terça-feira, 04 de Dezembro de 2018

O risco contra Bolsonaro e o marketing

O gesto agressivo de Bolsonaro é sua maior ameaça
O gesto agressivo de Bolsonaro é sua maior ameaça

Pode se preparar. Vai ser uma constante anunciarem publicamente que há risco contra a segurança do Bozo. Desde a eleição já houve dois anúncios. Nesta segunda-feira o Gabinete de Segurança Institucional (GSI), na figura do general Sérgio Etchegoyen, fez novo anúncio. Isso ajuda a reforçar a segurança, que já passou de 25 para 55 homens, e seu custo, naturalmente, e a dar prestígio a quem cuida dela. Se fosse sério levantariam a origem da ameaça - sigilosamente. Mas aí acabaria a novela!


Em qualquer país civilizado o presidente não é alvo de ataques de populares. Isso é próprio de nações que tem o conflito étnico, religioso e de política externa como norma. Claro que pelo discurso pré-anunciado ele busca fazer da impopularidade uma marca de governo.

Se houvesse risco, Bozo não teria ido a um estádio com 40 mil pessoas tirar casquinha. O governo eleito vive a ilusão que a população é integramente como seus eleitores. Dispensável qualquer adjetivação.

O ministro do GSI e que não deve estar no governo Bolsonaro está empenhado. Mas ele faz confusão entre críticas e ameaças. Para ele, o ataque que se faz ao presidente eleito nas redes sociais pode ser traduzido como "ameaça" - próprio de quem não está habituado a viver em democracia.

"Temos um presidente que sofreu um atentado e vem sofrendo agressões constantes, basta ver nas mídias sociais, a quem tem que ser dada a garantia, não a ele, mas também ao vice- presidente, das melhores condições de governo. Certamente a segurança do presidente eleito, da nova administração, exigirá cuidados mais intensos, mais precisos." declarou o ministro.

O que ele chama de ameaça é, na verdade,liberdade de expressão. Perigoso quando vai se ver instalado um governo que quer chamar ocupante de imóvel abandonado de terrorista.

Como o ministro chamaria quando Bolsonaro diz que vai prender comunistas e petistas e levá-los para Guantánamo? A resposta? Vai rir muito. A gente também.

 

Veja também:

>> O sono do menino sem-teto guardado pelo segurança

>> Ora 7 a 1, ora 17. Felipão não se cansa de humilhar o futebol brasileiro - vídeo

>> 107 São Clemente pode voltar a receber gás da CEG

>> Boicote a Carrefour vira campanha após denúncia de assassinato de cão

>> O que temos a falar sobre Jean Wyllys

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
O risco contra Bolsonaro e o marketing
 

Copyright 2018 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!