• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > política > geral

Política - Geral

 

Terça-feira, 14 de Janeiro de 2020

O artigo de "Isabel do Vôlei" e a cultura que vai caindo pelas tabelas

Isabel passeou com a tocha olímpica no Rio - foto arquivo pessoal
Isabel passeou com a tocha olímpica no Rio - foto arquivo pessoal

Isabel, a atleta que jogou vôlei pela seleção brasileira até grávida, lá nos idos dos anos 80, é mãe de atletas e agora é avó. Mas a bela carioca cheia de charme e rouquidão, recorre a um texto dos mais oportunos para dar aquela enterra indefensável tal e qual fazia nas memoráveis partidas contra as cubanas. Ela aborda não o esporte, mas a Cultura. Ela levanta a bola neste momento em que a Casa de Rui Barbosa ameaça interromper o ciclo de bons serviços prestados por conta do preconceito contra o que é culto e pensa. Leia aqui o artigo de Isabel que circula nas redes sociais:



Por Isabel Salgado*

"Meu nome é Isabel, joguei vôlei na seleção brasileira, representei o Brasil por muitos anos. Resolvi escrever essa carta aberta, não para falar de esporte, mas para falar da cultura, porque acredito que só pude ser a jogadora que fui e a pessoa que sou graças aos filmes que vi, aos livros que li, às músicas que ouvi, às histórias que minha avó me contava. Minha mãe era professora e escritora, amava os livros, adorava música, e foi ela quem me apresentou a Chico Buarque, Caetano, Cartola, Luiz Melodia, entre tantos grandes compositores brasileiros. Lembro, quando chegava do treino muito cansada, que me deitava no sofá e ela me falava dos poetas que amava: Bandeira, Joao Cabral, Cecília Meirelles, Drummond.... Hoje tenho certeza que aquela atmosfera foi muito importante na minha formação.

Quantas vezes, ouvindo e dançando as músicas de Gilberto Gil com Jacqueline , a grande campeã Olímpica, comemoramos vitórias e tentamos esquecer a dor de algumas derrotas. Lembro também do impacto que senti, aos 18 anos, quando assisti ao filme "Tudo Bem", de Arnaldo Jabor, com a incrível Fernanda Montenegro e um elenco de craques. Aos 17, assisti "Trate-me Leão", peça que inspirou toda uma geração. Quantas vezes, os livros me transportaram para outros universos e me permitiram aliviar as tensões das quadras.

Pois é, depois de um ano de governo Bolsonaro, preciso expressar meu horror com o que tem acontecido com a cultura. É muito duro ouvir os insultos que foram proferidos contra Fernanda Montenegro; ver Chico Buarque ganhar o prêmio Camões, maior prêmio da língua portuguesa, sem que o presidente cumprimente ou comemore o feito; testemunhar a morte de João Gilberto, um dos maiores compositores brasileiros sem que nenhuma homenagem tenha sido feita pelo governo. É estarrecedor saber que nosso cinema é premiado lá fora e atacado aqui dentro; ver o ataque brutal à casa de Rui Barbosa, com as exonerações dos pesquisadores que eram a alma e o coração daquela instituição. E como se não bastassem esses exemplos de barbaridade, assistimos ainda o constante flerte do governo com a censura.

Essa carta é só pra dizer que eu me sinto muito ofendida, senhor Bolsonaro. Não sou uma intelectual, sou uma cidadã brasileira que acredita que a cultura é essencial para qualquer pessoa. Ela só existe ser for plural, em todas as formas de expressão. Por meio dela, formamos a nossa identidade. Se esse governo não gosta do nosso cinema, da nossa música, dos nossos escritores, eu quero dizer que eu e uma enorme parte dos brasileiros gostamos. Não aguento mais assistir a tantos absurdos calada. Vocês estão ofendendo uma grande parcela do povo brasileiro.

Aprendi no esporte que é fundamental respeitar as diferenças e saber que elas são enriquecedoras em todos os aspectos. Aprendi que é fundamental respeitar os adversários , e não tratá-los como inimigos. Compreendi, vivendo no esporte, o quanto é importante ser democrático. Inspire-se no esporte, senhor presidente! O senhor foi eleito democraticamente. Governe democraticamente, e não apenas para quem pensa como o senhor. Hoje eu pensei muito nos rumos da cultura, porque lembrei da minha querida avó, que me levava, quando menina, para passear nos jardins da casa de Rui Barbosa..."

Isabel é carioca, 59 anos, jogou no Flamengo. Disputou duas olimpíadas nas quadras e na praia onde chegou a ser treinadora. É mãe de seis filhos, três jogadores de vôlei de praia: Maria Clara, Carolina Solberg e Pedro Solberg que foi campeão do Circuito Mundial.

 

Veja também:

>> Nada melhor que rever "Democracia em Vertigem" para entender o pânico dos tucanos

>> Democracia e Vertigem: filme brasileiro que retrata o golpe vai disputar o Oscar

>> Cineasta faz mini-doc para se despedir de bairro carioca - Vídeo

>> Moro não foi demitido por pedido de general

>> Tucanos criticam indicação ao Oscar de filme que revela o golpe contra Dilma

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
O artigo de "Isabel do Vôlei" e a cultura que vai caindo pelas tabelas
 

Copyright 2020 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!