• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 
Audiência na TV

Sábado, 15 de Dezembro de 2018

Castrinho é acusado de abuso sexual por Iris Bruzzi. Ele nega
Audiência na TV

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook

Conexão TV

Quarta-feira, 05 de Dezembro de 2018

Após massacre ao cão, Masterchef omite nome do Carrefour do programa

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > política > geral

Política - Geral

 

Terça-feira, 12 de Junho de 2018

A dois dias de completar três meses Caso Marielle segue sem punição

A dois dias de completar três meses, o assassinato da vereadora do PSOl, Marielle Franco, e do seu motorista, Anderson Gomes, segue impune. Após apresentar um vereador como suspeito, a polícia recuou e até o delegado que conduzia o caso acabou afastado. Há dias ele publicou uma carta onde se desculpava com Marielle pela impunidade e atribuía o insucesso a uma polícia desestruturada.

Viúva da vereadora e companheira de Marielle por 14 anos, a arquiteta Mônica Benício disse, em entrevista a Agência Brasil, que a demonstração de afeto era uma das maiores formas de luta da vereadora carioca a favor dos direitos da população lésbica, gay, bissexual, transexual e intersexual (LGBTI). Mônica participou de um vídeo da Anistia Internacional divulgado hoje (12), Dia dos Namorados, nas redes sociais da entidade. Na próxima quinta-feira (14), os assassinatos de Marielle e do motorista Anderson Gomes completam três meses.

"Marielle lutava na causa LGBTI e acho que a maior expressão dessa [luta], para além do parlamento, era a divulgação da vida pública dela, que era não esconder o relacionamento que a gente tinha e reforçar que isso era um amor, que era legítimo, que era feliz e que as nossas famílias existem. Eu acho que essa era a principal forma de ela lutar dentro dessa causa", conta Mônica no vídeo.

A viúva afirma na gravação que Marielle defendia a postagem diária de fotos e que ela concorda com a postura, argumentando que a atitude é uma forma de resistência. "A gente tem que ficar autoafirmando que esse amor é legítimo, e que a gente não vai deixar de amar porque a gente está em um contexto social em que parte das pessoas não acredita que esse amor seja legítimo".

Mônica agradeceu pelo apoio que vem recebendo e disse que é fundamental toda manifestação de carinho, afeto, mobilização e cobrança por justiça, pressionando as investigações e lutando para que não haja mais assassinatos como o de Marielle.

"O apoio tem sido muito grande, e é isso que ajuda a manter a luta e faz com que eu levante de manhã e que dá algum sentido, é saber que existe toda essa rede de afeto mundial".

Durante a Parada LGBT de São Paulo, em 3 de junho, Mônica defendeu a necessidade de resistência lembrando que o Brasil é um dos países que mais mata a população LGBT. "A gente não pode deixar que isso continue dessa maneira. O nosso corpo é resistência política", discursou em um dos carros de som.

 

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
A dois dias de completar três meses Caso Marielle segue sem punição
 

Copyright 2018 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!