• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 
Audiência na TV

Segunda-feira, 15 de Outubro de 2018

Caetano entrevista Manuela D'Ávila
Audiência na TV

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook

Conexão TV

Terça-feira, 02 de Outubro de 2018

Globo X Record: nem nas pesquisas as emissoras combinam

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > política > eleições

Política - Eleições

 

Sexta-feira, 01 de Junho de 2018

Precisamos voltar a discutir política no almoço de domingo

Pela volta do debate político na mesa do almoço
Pela volta do debate político na mesa do almoço
Por Fábio Lau*

Não é piada. O negócio é sério. Diziam os velhos que não se devia discutir assuntos polêmicos, como política e religião, na hora do almoço em família. O sangue fervia, a coisa esquentava e, não raro, alguém levantava da mesa antes de terminar o almoço por não aguentar a calorosa discussão. Alguém mais viveu isso? Eu vivi.



Dizia meu avô, Nilo, que na mesa não devíamos falar de temas difíceis, intensos e tensos - polêmicos, portanto. Para ele, aquela era a hora para conversas amenas. Mas nas amenidades dos adultos naqueles anos 70, em plena ditadura militar, incluíam conversas sobre o desempenho escolar. Os primos CDFs adoravam, claro. E nós que tínhamos sérios problemas com a matemática? Ficávamos na berlinda.

Mas o fato é que naquele tempo havia um contato maior entre pais, filhos e demais parentes. Não havia smartphone ou videogame. O almoço de domingo era um dia especial - mas não único. Almoçávamos ou jantávamos em família. Ocorre é que nestes tempos de internet, onde tudo é oferecido aos filhos, mas muito pouco exigido em contrapartida, o jovem raramente se vê impelido a falar. E é aí que a coisa desanda.

Você já se perguntou em quem seus filhos, sobrinhos e amigos deles têm votado? E a religião? O quanto ela interfere na vida ou opinião deles - até mesmo no campo político? E por que estes assuntos não estão mais nas mesas de família?

Creio que muito do que temos visto hoje, políticos-pastores e pastores-políticos, algo que tem se revelado nocivo para o país, poderia ter sido evitado se falássemos mais e constantemente com os nossos.

Repara a quantidade de votação no Congresso que tais políticos religiosos votaram contra os interesses dos trabalhadores! Reforma da Previdência, Trabalhista, golpe político, não autorização para processar Temer e etc. Estes políticos-religiosos estão do lado oposto do que esperamos para o país. E não debater este tema favorece exatamente a eles.

Não é difícil compreender a razão de quererem instituir a tal escola sem partido. Eles sabem que o centro de debate é a escola no momento em que em casa os pais não cumprem este papel. E aí? Vai ficar em silêncio na mesa no próximo domingo?

Conversa com seu filho, filha. Promova encontros na sua casa para os amigos deles. Chama para um pizza. Vale a pena. Não deixe que nossos meninos caiam no conto do vigário! Ou do pastor - o que dá no mesmo!

* Fábio Lau tem filhos e édefensor da punição para filhos que votam de maneira equivocada: corta o bife! Mas nunca precisou - os meninos votam bem!

 

Veja também:

>> Cristiano Ronaldo e Zidane vão deixar o Real Madrid

>> Homem que contaminava mulheres com vírus HIV é condenado a sete anos

>> Fernando Britto: paralisação de caminhoneiros contou com ensaio há três meses

>> Cai Pedro Parente: presidente da Petrobras pede demissão

>> Paolo Guerrero poderá ir à Copa

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Precisamos voltar a discutir política no almoço de domingo
 

Copyright 2018 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!