• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 
Audiência na TV

Quinta-feira, 17 de Agosto de 2017

Morre o ator e humorista Paulo Silvino
Audiência na TV

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook

Conexão TV

Segunda-feira, 14 de Agosto de 2017

Hermano Henning processa SBT

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > política > brasil

Política - Brasil

 

Sexta-feira, 19 de Maio de 2017

PGR: Aécio tentou impedir avanço da Lava-Jato

Por Fábio Lau

Se fosse uma cobra te mordia, Moro
Se fosse uma cobra te mordia, Moro

Sérgio Moro poderia ter sido mordido pela cobra, certo? Certo. Quando foi receber um prêmio oferecido pela Isto É e sentou-se ao lado de Aécio Neves e com ele trocou afagos e sorrisos, o juiz da Lava-Jato estava a poucos centímetros de um homem que o queria ver pelas costas. Ou, mais do que isso, bem distante. Se não dele fisicamente, pelo menos do seu trabalho diante da Lava-Jato. Esta é a conclusão a qual se chega a partir dos áudios divulgados relacionados ao senador do PSDB e do empresário dono da JBS, Joesley Batista.



E quem faz a afirmação não é nenhum petista - conforme gostam de reduzir aqueles que defendem o método Moro de agir. Mas o próprio procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

O senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) teria buscado estratégias para impedir o avanço das investigações da Operação Lava Jato e, para tanto, tentado articulação com o presidente da República, Michel Temer, e o atual ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, que à epoca era ministro da Justiça. A constatação é do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, em documento enviado ao STF.

"Mais especificamente sobre a Lava Jato, o senador teria tentado organizar uma forma de impedir que as investigações avançassem, por meio de escolhas dos delegados que conduziam os inquéritos, direcionando as distribuições, mas isso não teria sido finalizado entre ele, Michel Temer e o ex-ministro da Justiça e atual ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes", registra Janot.

A afirmação do procurador-geral da República está na decisão do ministro do STF Luiz Edson Fachin, que determinou a abertura de inquérito para investigar Temer e Aécio Neves a partir das informações dos depoimentos de delação premiada de executivos do grupo JBS. Os pedidos de abertura de inquérito formulados pela PGR e o conteúdo dos depoimentos foram divulgados hoje (19) pelo STF.

Mais à frente, Janot retoma o tema: "Além disso, verifica-se que Aécio Neves, em articulação, dentre outros, com o presidente Michel Temer, tem buscado impedir que as investigações da Lava Jato avancem, seja por meio de medidas legislativas, seja por meio de controle de indicação de delegados de polícia que conduzirão os inquéritos". Até o momento, o Palácio do Planalto ainda não se pronunciou sobre os novos conteúdos das delações divulgados hoje pelo STF.

Em depoimento de delação premiada o empresário do grupo JBS, Joesley Batista, diz que teria pagado R$ 2 milhões em propina a Aécio Neves este ano para que ele atuasse em favor da aprovação da lei de abuso de autoridade e anistia ao caixa 2 em campanhas eleitorais.

Ontem, a defesa de Aécio confirmou que o senador afastado pediu R$ 2 milhões ao dono da JBS, Joesley Batista. Entretanto, segundo o advogado José Eduardo Alckmin, foi um pedido de empréstimo para custear a defesa de Aécio, que já era investigado pela Operação Lava Jato. De acordo com José Eduardo Alckmin, foi uma transação particular, que não teve relação com o cargo de senador.

Da Agência Brasil


Veja a transcrição do diálogo entre Aécio e Joesley Batista:

Transcrito pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, no despacho responsável por afastar o tucano, e obtido e divulgado nesta quinta-feira (18) pelo site Buzzfeed Brasil, a conversa revela como Aécio queria interromper a Operação Lava Jato.
"Ministro da Justiça é 'um bosta de um caralho'"
Aécio - Esses vazamentos, essa porra toda, é uma ilegalidade.
Joesley - Não vai parar com essa merda?
Aécio - Cara, nós tamos vendo (...) Primeiro temos dois caras frágeis pra caralho nessa história é o Eunício [Oliveira, presidente do Senado] e o Rodrigo [Maia, presidente da Câmara], o Rodrigo especialmente também, tinha que dar uma apertada nele que nós tamos vendo o texto (...) na terça-feira.
Joesley - Texto do quê?
Aécio - Não... São duas coisas, primeiro cortar o pra trás (...) de quem doa e de quem recebeu.
Joesley - E de quem recebeu.
Aécio - Tudo. Acabar com tudo esses crimes de falsidade ideológica, papapá, que é que na, na, na mão [dupla], texto pronto nãnã. O Eunício afirmando que tá com colhão pra votar, nós tamo (sic). Porque o negócio agora não dá para ser mais na surdina, tem que ser o seguinte: todo mundo assinar, o PSDB vai assinar, o PT vai assinar, o PMDB vai assinar, tá montada. A ideia é votar na... Porque o Rodrigo devolveu aquela tal das Dez Medidas, a gente vai votar naquelas dez... Naquela merda das Dez Medidas toda essa porra. O que eu tô sentindo? Trabalhando nisso igual um louco.
Joesley - Lógico.
Aécio - O Rodrigo enquanto não chega nele essa merda direto, né?
Joesley - Todo mundo fica com essa. Não...
Aécio - E, meio de lado, não, meio de leve, meio de raspão, né, não vou morrer. O cara, cê tinha que mandar um, um, cê tem ajudado esses caras pra caralho, tinha que mandar um recado pro Rodrigo, alguém seu, tem que votar essa merda de qualquer maneira, assustar um pouco, eu tô assustando ele, entendeu? Se falar coisa sua aí... forte. Não que isso? Resolvido isso tem que entrar no abuso de autoridade... O que esse Congresso tem que fazer. Agora tá uma zona por quê? O Eunício não é o Renan.
Joesley - Já andaram batendo no Eunício aí, né? Já andaram batendo nas coisas do Eunício, negócio da empresa dele, não sei o quê.
Aécio - Ontem até... Eu voltei com o Michel ontem, só eu e o Michel, pra saber também se o cara vai bancar, entendeu? Diz que banca, porque tem que sancionar essa merda, imagina bota cara.
Joesley - E aí ele chega lá e amarela.
Aécio - Aí o povo vai pra rua e ele amarela . Apesar que a turma no torno dele, o Moreira [Franco], esse povo, o próprio [Eliseu] Padilha não vai deixar escapulir. Então chegando finalmente a porra do texto, tá na mão do Eunício.
(...)
Joesley - Esse é bom?
Aécio - Tá na cadeira (...). O ministro é um bosta de um caralho , que não dá um alô, peba, está passando mal de saúde pede pra sair. Michel tá doido. Veio só eu e ele ontem de São Paulo, mandou um cara lá no Osmar Serraglio, porque ele errou de novo de nomear essa porra desse (...). Porque aí mexia na PF. O que que vai acontecer agora? Vai vim um inquérito de uma porrada de gente, caralho, eles são tão bunda mole que eles não (têm) o cara que vai distribuir os inquéritos para o delegado. Você tem lá cem, sei lá, 2.000 delegados da Polícia Federal. Você tem que escolher dez caras, né?, do Moreira, que interessa a ele vai pro João.
Joesley - Pro João.
Aécio - É. O Aécio vai pro Zé (...)
[Vozes intercaladas]
Aécio - Tem que tirar esse cara.
Joesley - É, pô. Esse cara já era. Tá doido.
Aécio - E o motivo igual a esse?
Joesley - Claro. Criou o clima.
Aécio - É ele próprio já estava até preparado para sair.
Joesley - Claro. Criou o clima.
Leia também: Em pronunciamento, Temer diz que não renunciará ao cargo
"Como vou entrar numa merda dessa sem advogado?"
A TV Globo também divulgou outro trecho da conversa entre os dois que se refere à negociação de R$ 2 milhões pedidos pelo tucano ao empresário. Na conversa, Aécio indica o primo, Frederico Medeiros, para receber o dinheiro, que seria para pagar o advogado de defesa do senador afastado no processo da Lava Jato.
Aécio também cita a irmã, Andrea Neves, que foi presa nesta quinta-feira. Veja o diálogo:
Joesley - Deixa eu te falar dois assuntos aqui, rapidinho. É...a tua irmã teve lá.
Aécio - Obrigado por ter recebido ela lá
Joesley - Tá...ela me falou de fazer dois milhões, pra tratar de advogado ...primeira coisa, num dá pra ser isso mais. Tem que ser....
Aécio - É?
Joesley - Tem que ser. Eu acho pelo que a gente tá vendo tudo, pra mim e pra você... vai ser, a primeira coisa
Aécio - Por que os dois que eu tava pensando era trabalhar (no processo)
Joesley - Eu sei, aí é que tá
Aécio - ..... assim ó .... toma não tem, pronto. Primeira coisa. Eu consigo (...) que é pouco, mas é das minhas é das minhas lojinhas, que eu tenho, que caiu a venda pa caralho
Aécio - [Risos]
Joesley - É rapaz, isso aqui era setecentos, oitocentos.
Aécio - Como é que a gente combina?
Joesley - Tem que ver, você vai lá em casa ou ....
Aécio - O FRED
Joesley - Se for o FRED eu ponho um menino meu pra ir. Se for você sou eu. [risos] Só pra...
Aécio - Pode ser desse jeito...risos
Joesley - Entendeu. Tem que ser entre dois, não dá pra ser...
Aécio - Tem que ser um que a gente mata eles antes dele fazer delação [risos]
Joesley - [Risos] Eu e você. Pronto... ou FRED e um cara desses...pronto
Aécio - V amos combinar o FRED com um cara desse . Porque ele sai lá e vai no cara. Isso vai me dar uma ajuda do caralho. Não tenho dinheiro pra pagar nada. (...). Sabe porque eu tenho que segurar esse advogado. (...) Porque não tem mais, não tem ninguém que ajuda
Joesley - E do jeito que tá...
Aécio - Antes de ter mandado a ANDREA lá eu passei dez noites sem dormir direito . Falei não vou não porque o cara já me ajudou pra caralho. Mas não tem jeito, eu vou entrar numa merda dessa sem advogado?
Joesley - Você tá certo.
Aécio - Faz como?
Joesley - Pronto. O menino entra em contato com o FRED.
Aécio - O menino liga pro FRED. O FRED já sai de lá e já deixa na casa do cara e acabou.
Joesley - Pronto. Quinhentos por semana pá pá pá. Eu acho que eu consigo. A partir da semana que vem.
Aécio - Primeiro liga pro FRED
Joesley - Pronto, eles se acertam
O documento conlcui: "Como se vê da transcrição, Joesley e o Senador Aécio Neves, numa reunião intermediada pela irmã do parlamentar, Andrea, que já havia sido a portadora da solicitação da vantagem indevida feita por seu irmão, acertam o pagamento de 2 milhões de reais, em quatro parcelas semanais, a serem recebidos por um intermediário, no caso, seu primo Frederico Medeiros (FRED)".

 

Veja também:

>> Mauro Santayana: Nada de soltar fogos. O alvo segue sendo Lula

>> Corrupção de integrantes do judiciário está sendo tratada com menor importância

>> A jogada de mestre de um acusado da Lava-Jato: Joesley Batista

>> Marta Suplicy recebeu mesada da JBS - vídeo

>> Casa da família de Aécio é alvo de manifestação em São João Del Rey

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
PGR: Aécio tentou impedir avanço da Lava-Jato
 

Copyright 2017 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!