• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 
Audiência na TV

Quinta-feira, 12 de Dezembro de 2019

Boa dica Netflix? "História de um casamento".
Audiência na TV

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook

Conexão TV

Quinta-feira, 12 de Dezembro de 2019

Charlie Sheen, a lenda, comemora dois anos longe das drogas

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > política > brasil

Política - Brasil

 

Quarta-feira, 13 de Abril de 2016

OEA: Brasil vive o mundo ao contrário - culpados criminalizam inocente

Da Redação

O uruguaio Luis Almagro, secretário-geral da Organização dos Estados Americanos, alertou em entrevista ao jornal El País que o caso vivido na conjuntura política do Brasil é surreal e beira ao inacreditável. Segundo suas próprias palavras, os culpados e acusados estão mobilizados para retirar do poder uma presidenta contra quem não pesa nenhum delito. É o mundo ao contrário!", disse. Leia aqui.

"Para nós o fundamental é a realização de um processo de impeachment de uma presidente Dilma Rousseff que não é acusada de nada, não responde por nenhum ato ilegal. É algo que verdadeiramente nos preocupa, sobretudo porque vemos que entre os que podem acionar o processo de impeachment existem congressistas acusados e culpados. É o mundo ao contrário".

Recentemente, ele afirmou que o processo de impeachment de Dilma não tem "qualquer fundamento" e seu mandato constitucional deve ser respeitado.

"Não existe qualquer acusação, qualquer mancha em termos de corrupção sobre a presidente Dilma Rousseff, então não há qualquer fundamento para avançar com um processo de destituição, definitivamente não", disse.

Ele também fez uma ressalva sobre o juiz Sérgio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato, na primeira instância: "todos os cidadãos são iguais perante a lei, e os juízes estão submetidos às leis que aplicam. Nenhum juiz está acima da lei que aplica".

Leia a entrevista completa:

Pergunta. Como o senhor vê a incerteza política no Brasil?

Resposta. O Brasil tem instituições muito fortes que têm a capacidade para responder. Para nós o fundamental é a realização de um processo de impeachment de uma presidenta [Dilma Rousseff] que não é acusada de nada, não responde por nenhum ato ilegal. É algo que verdadeiramente nos preocupa, sobretudo porque vemos que entre os que podem acionar o processo de impeachment existem congressistas acusados e culpados. É o mundo ao contrário.

P. O senhor chegou com o objetivo de revitalizar a OEA. O que está fazendo para consegui-lo?

R. Existem algumas variáveis objetivas que indicam que há uma mudança e que a organização está mais envolvida nos assuntos regionais. Durante minha campanha para ser secretário-geral ouvia-se que era uma organização irrelevante. Sempre considerei isso injusto. E se olharmos com perspectiva, as queixas vêm agora pelo excesso de zelo profissional e de ação da OEA.

P. Como o senhor tentou reverter a situação?

R. A organização foi onde os problemas estão. Tiramos do papel os consensos aprovados por todos e passamos à ação. No momento de defender a democracia, assumimos responsabilidades, assim como na luta contra a corrupção e na defesa dos direitos humanos.

P. Qual é o principal desafio agora: corrupção, direitos humanos, desigualdade.?

R. Não podemos compartimenta-los. Fizemos estudos, nos quais levamos em consideração por volta de 10.000 variáveis, sobre os conceitos fundamentais de democracia. Sem democracia é impossível combater a corrupção, impossível conseguir condições de desenvolvimento, gerar direitos e eliminar as discriminações que ainda existem no continente.

P. O senhor criticou a atuação do Governo da Venezuela contra a Lei de Anistia aprovada no Parlamento, mas declarada anticonstitucional. O que espera que aconteça na Venezuela?

R. Nós gostaríamos que não existissem presos políticos na Venezuela, que os três poderes do Estado agissem para acabar com essa situação. Esperamos que ocorra um diálogo institucional mais fluido para a conquista de resultados concretos, especialmente pela difícil situação de desabastecimento sofrida pelo país. Todos nós devemos almejar isso. Os primeiros, os venezuelanos.

P. O que a OEA pode fazer?

R. Dar uma opinião muito clara sobre o funcionamento do sistema e procurar um diálogo entre as partes. Não mantemos uma neutralidade sobre a situação. A neutralidade moral não é possível quando existem presos políticos e a democracia não está funcionando.

P. O Governo de Maduro não parece disposto a ceder.

R. A história de nosso continente está infestada de casos piores. No Cone Sul foram superadas ditaduras ignominiosas e violações de direitos humanos e isso mudou. Mas muda com a voz e a atitude responsável da comunidade internacional.

P. E o povo venezuelano?

R. O povo venezuelano deve ser o primeiro a ser respeitado. Deve encontrar os caminhos adequados para se expressar e sua expressão deve ser respeitada. Os direitos essenciais, de saúde, alimentação, de ordem pública... precisam ser respeitados.

P. A publicação dos papéis do Panamá dinamita a confiança da população nas elites políticas e econômicas?

R. É possível ser rico e fazer política e ser pobre e fazer política. Os dois devem ter a mesma possibilidade. O importante é que, na política, o dinheiro não grude nas mãos. O problema é que muitos de nossos políticos têm cola e o dinheiro gruda em suas mãos. São fundos de evasão fiscal, de lavagem de dinheiro, e isso é dinheiro que pertence à população. É dinheiro retirado de planos de emergência, de planos sociais, de educação... Não deve existir margem de tolerância. É preciso ser muito duro, muito drástico com essas questões.

P. Mas os paraísos fiscais continuam existindo.

R. Os paraísos fiscais não devem mais existir. Os países precisam de desenvolvimento caminhando pela avenida principal, cumprindo com as regras do jogo, de transparência e de legalidade do sistema financeiro. O que acontece no cruel mundo de hoje é que os países competem por esses fundos. Os Estados Unidos têm Delaware. Do que estamos falando? Competem pelos fundos do narcotráfico. Estamos falando de 400 bilhões de dólares (1,4 trilhão de reais)... É um problema que temos e precisa ser resolvido.

P. Que análise o senhor faz do primeiro turno das eleições no Peru?

R. Eu espero que ocorra o fortalecimento institucional para que o Peru continue o desenvolvimento econômico e social.

P. O senhor acredita que o assassinato da ativista hondurenha Berta Cáceres será algum dia esclarecido?

R. Espero que seja logo esclarecido por Honduras, por sua população, por Berta. Que todos os elementos que obscurecem esse crime sejam esclarecidos. A impunidade no assassinato de indígenas no continente é um sinal de corrupção política muito forte.

 

Veja também:

>> Luana Piovani: atriz da Globo é acusada de racismo ao responder internautas

>> Funkeiros na orla da Zona Sul fazem ressuscitar música de Wilson das Neves - vídeo

>> Dia do Beijo e as coisas que você deveria saber sobre ele - Por Lau Milesi

>> Acometido por câncer, Juninho Augusto morre na fila da Fosfoetanolamina Sintética

>> Manas e Monas: paródia de Roda Viva, de Chico Buarque, é sucesso na rede - vídeo

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
OEA: Brasil vive o mundo ao contrário - culpados criminalizam inocente
 

Copyright 2019 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!