• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 

Conexão TV

Quinta-feira, 17 de Maio de 2018

Eloisa Mafalda morre aos 93 anos

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > política > brasil

Política - Brasil

 

Quarta-feira, 16 de Maio de 2018

Moro não se cansa de levantar suspeitas contra si: agora ao lado de Dória

O juiz Sérgio Moro foi flagrado em uma fotografia para lá de suspeita. Cochichando e rindo ao lado do réu da Lava-Jato, senador Aécio Neves. Diante da polêmica insinuou um arrependimento. Mas eis que, em viagem a Nova York, onde seria homenageado sob protestos de ativistas da democracia, não resistiu e posou agora ao lado de João Dória Júnior. O candidato a governador por São Paulo deixou a prefeitura de São Paulo com o índice de popularidade no chão.


O encontro de Moro e Aécio ocorreu em dezembro de 2016 durante uma festa programada por uma revista semanal. O com Dória se deu nesta quarta-feira (16). Os dois estavam acompanhados das respectivas mulheres. O Brasil é ou não é um clube privê? Há tempos a BBC publicou reportagem cujo título era: "por que a Lava-jato não prospera em São Paulo?" A fotografia, com certeza, explica muito.

Moro viajou a Nova York para duas solenidades. Recebeu o prêmio de "Personalidade do Ano" da Câmara de Comércio Brasil-EUA. E não deixa de ser curioso um juiz que fez da Lava-Jato um tanque de guerra a destruir grandes empresas, do qual se aproveitaram empresas americanas, ser homenageado por elas. Nesta quarta-feira Moro foi uma das estrelas de um evento do Lide, uma organização de João Doria voltada para lobbies de todo tipo e aproximação entre empresários, banqueiros e políticos -o tema são sempre negócios, ou "business", como prefere o ex-prefeito de São Paulo, agora candidato a governador e aspirante a candidato a presidente, de olho na vaga de Alckmin como as aves de rapina ao sobrevoarem carniça.

Segundo o site Brasil 247, no evento de Doria, Moro será a estrela ao lado do inacreditável Carlos Marun, ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República, o "pit bull" de Temer e que se tornou nacionalmente conhecido por defender Eduardo Cunha de maneira agressiva e com expressões vulgares dirigidas aos adversários. O encontro do Lide é como uma peça de ficção, com o título de "A Retomada do Crescimento no Brasil" -num país cuja economia está em crise profunda. A palestra de Moro é puro nonsense: "Fortalecimento das instituições para o crescimento do Brasil" -num país cujas instituições estão em frangalhos depois do golpe de Estado que teve participação expressiva do juiz da Lava Jato.

Numa entrevista recente, Moro chegou a dizer-se "arrependido" da foto ao lado de Aécio. Mas repete a dose agora, com Doria. A performance de Moro incomodou até os arautos do golpe. O colunista Josias de Souza, do UOL, um dos mais estridentes jornalistas da linha de frente da direita, reclamou: "Espera-se de um juiz que tenha um comportamento recatado. Se Moro foi sincero ao expressar o arrependimento que a foto com Aécio lhe causou, as imagens com Doria constituem indício de que, para o magistrado, é errando que se aprende... A errar."

Ao receber o prêmio da Câmara de Comércio, ontem à noite, Moro encenou humildade e recato: "Quando recebi o convite, pensei se deveria aceitar. Não sei se um juiz deve chamar este tipo de atenção. Judiciário e juízes devem atuar com modéstia, de maneira cuidadosa e humilde". Na platéia, cerca de mil pessoas, entre empresários, banqueiros, lobistas... e tucanos. Cada mesa "vip" do evento, próxima à mesa do homenageado, custou a bagatela de 26 mil dólares. Foram arrematadas pelos bancos brasileiros de varejo e outras grandes empresas favorecidas pelo golpe de 2016.

Na viagem estrelada do casal Moro, entretanto, não há nada da "modéstia" e "maneira humilde" anunciadas pelo juiz no discurso. Moro está hospedado num dos hotéis mais caros de Nova York, o The Pierre. Uma diária não sai por menos de R$ 3 mil. Ele e a mulher viajaram à cidade de classe executiva, a um preço aproximado de R$ 4.500,00 per capita. Isso sem contar almoços, jantares, compras. Uma "esticada" que não custa menos que 20 ou 30 mil reais. Ora, o salário bruto de um juiz é de R$ 33.763,00, sem os descontos de Imposto de Renda e Previdência Social. Sabe-se que Moro, por conta do "bolsa juiz" (auxílio moradia mesmo tendo apartamento próprio em Curitiba, vale refeição e outros benefícios), juiz teve salário bruto médio de R$ 45.056,49 em quase todos os meses de 2017, levando para casa, líquidos, ao redor de 30 mil reais (leia aqui).

Salário de 30 mil reais líquidos, viagem a Nova York equivalente a um mês de salário... O que suscita uma pergunta: quem arcou com os custos da viagem do casal Moro?

 

Veja também:

>> Jornalistas na linha de tiro: evento reúne profissionais para falar sobre ameaças

>> Hoje tem aulão gratuito para quem vai fazer o Enem

>> Identificados assaltantes que atacaram motociclista no Rio - vídeo

>> Jovem de 17 anos é morta no Rio durante roubo de celular

>> O advogado responde: afinal, Lula é ou não elegível? e se ganhar pode não levar?

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Moro não se cansa de levantar suspeitas contra si: agora ao lado de Dória
 

Copyright 2018 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!