• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > política > brasil

Política - Brasil

 

Segunda-feira, 02 de Outubro de 2017

Fornazieri: o erro político do PT ao apoiar Aécio

Da Redação


O apoio envergonhado que o PT ofereceu a causa particular de Aécio Neves, coisa que lhe foi negada até mesmo pelo seu PSDB que o lançou aos leões, pode lhe custar muito caro. O cientista político, Aldo Fornazieri, volta ao tema em texto publicado nas redes sociais. Para Conexão Jornalismo, o pau que o STF deu em Aécio, tirando-o o mandato e o recolhendo ao lar à noite, foi o prenúncio de que viria bronca pesada contra Lula. E desta opinião compartilham líderes do PT (leia aqui).


*Aldo Fornazieri

"Vítima de um golpe, o PT virou protetor de um de seus maiores algozes: o senador Aécio Neves. Não é o STF que adotou uma "medida esdrúxula", mas é a direção do PT que está sendo esdrúxula pelo festival de erros que vem cometendo.

Uma direção que adota posições não só contra a vontade da maioria da sua militância, da sua base social e do seu eleitorado, mas também contra o entendimento correto da Constituição.

​A nota da direção do PT que condena o afastamento de Aécio é um equívoco completo, político, moral e jurídico.

Em primeiro lugar, o Artigo 53 da Constituição estabelece que a inviolabilidade civil e penal dos mandados só se refere a "quaisquer de suas opiniões, palavras e votos" e não a crimes comuns, como é o caso das acusações que pesam sobre o senador tucano.

O Supremo não decretou a perda do mandato de Aécio, mas a sua suspensão.

Quem determina a perda do mandato é, conforme o caso, a Câmara dos Deputados ou o Senado. É passível de perda de mandato o deputado ou senador que violar as vedações estabelecidas no Artigo 54; aquele que incorrer na quebra de decoro parlamentar (Art. 55 -II; aquele que deixar de comparecer à terça parte das sessões plenárias e aquele que sofrer condenação transitada em julgado.

Em caso de prisão, em flagrante crime inafiançável, de um deputado ou senador, os autos serão remetidos à respectiva Casa, conforme define o Artigo 32, parágrafo 2, que se pronunciará pela maioria de seus membros sobre o caso.

Nestes termos, o STF não feriu nada daquilo que a Constituição estabelece acerca da inviolabilidade do mandato.

Ele decidiu sobre uma figura que não existe na Constituição. Em sendo o STF um tribunal constitucional e dada a gravidade dos delitos de Aécio Neves, o Tribunal tem a prerrogativa de decidir sobre uma lacuna constitucional para salvaguardar o interesse público e impedir a desmoralização ainda maior do Senado, que já é uma instituição profundamente desmoralizada.

Veja-se, por exemplo, que a figura do casamento homoafetivo também estava incursa numa lacuna legal e constitucional.

O STF, como tribunal constitucional, decidiu pelo entendimento de que se trata de um direito legal. Essas prerrogativas dos tribunais constitucionais são iguais em praticamente todos os regimes republicanos presidencialistas.

A Suprema Corte dos Estados Unidos tem esse tipo de prerrogativa e já constitucionalizou vários temas que não estavam na Constituição.

Note-se ainda que Eduardo Cunha também foi afastado de seu mandato por uma decisão do STF. Ao que consta, não houve, naquela ocasião, nenhum protesto da direção do PT.

Qual a razão de haver agora com Aécio?

Outra afirmação equivocada da nota da direção do PT consiste na afirmação de que o Senado Federal é um poder soberano.

Não é. Na república democrática presidencialista, a soberania pertence ao povo.

Este sistema de governo se define por uma reação de equilíbrio, pesos e contra-pesos na relação entre os três poderes. A Constituição deve definir os mecanismos de ataque e de defesa de um poder em relação outro.

Nenhum poder tem autonomia absoluta na sua relação com os outros poderes.

A Constituição dos Estados Unidos, que é a matriz das constituições republicanas presidencialistas, permite que deputados e senadores possam ser presos por crime de traição, crime comum e perturbação da ordem pública.

A nota do PT daria uma grande contribuição à democracia se defendesse o fim do instituto esdrúxulo do Foro privilegiado e se defendesse a não proteção de deputados senadores que cometem crimes comuns, passando estes a poder serem presos se cometessem tais crimes.

A nota do PT vai contra o espírito da Constituição e contra o sentimento geral da soberania popular, da sociedade brasileira, dos eleitores e militantes do partido.

A nota afirma que os seus signatários tem todos os motivos para defender a democracia e a Constituição.

Então, que defendam o afastamento de Aécio Neves do Senado.

Ter Temer como presidente da República e Aécio Neves como senador constitui um violento ataque à democracia e à Constituição".

*Aldo Fornazieri é professor da Escola de Sociologia e Política (FESPSP)

 

Veja também:

>> Marcas no mausoléu de Chico Xavier podem ser de tiros

>> Evangélicos radicais vandalizam túmulo de Chico Xavier

>> Roger, do Botafogo, terá a carreira interrompida por conta de um tumor - vídeo

>> Radicais agridem funcionários do MAM de São Paulo

>> Pesquisa Datafolha coloca Lula com 35% das intenções de voto

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Fornazieri: o erro político do PT ao apoiar Aécio
 

Copyright 2017 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!