• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 
Audiência na TV

Quinta-feira, 14 de Março de 2019

HBO faz de Bolsonaro deboche mundial - vídeo
Audiência na TV

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook

Conexão TV

Sexta-feira, 15 de Março de 2019

Darín em dose dupla nos cinemas - vídeo

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > polícia > segurança pública

Polícia - Segurança Pública

 

Quinta-feira, 14 de Março de 2019

No dia em que morte de Marielle faz um ano, Justiça solta citados no caso Amarildo

Viúva de Amarildo protesta contra a impunidade - Foto agência Brasil
Viúva de Amarildo protesta contra a impunidade - Foto agência Brasil


No dia em que o assassinato, ainda impune, de Marielle Franco completa um ano, o carioca tem um motivo a mais para se preocupar: a 8ª Câmara Criminal da Justiça do Rio de Janeiro absolveu ontem (13) quatro dos 12 policiais militares condenados em primeira instância pela tortura, morte e ocultação de cadáver do ajudante de pedreiro Amarildo de Souza, na base da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Rocinha, em julho de 2013. Os policiais tinham sido condenados pela 35ª Vara Criminal da Capital, em 2016. Se culpados ou não, o fato é que a decisão coloca o caso na estaca zero.



A informação é da Agência Brasil

Os absolvidos são os soldados Jairo da Conceição Ribas e Fábio Brasil da Rocha, antes condenados a 10 anos e quatro meses de prisão, e as policiais Rachel de Souza Peixoto e Thaís Rodrigues Gusmão, a nove anos e quatro meses.

Jairo e Fábio foram acusados pelo Ministério Público de levar Amarildo até a base da UPP, participar do cordão de segurança em torno da unidade, enquanto ocorria a tortura, e ajudar na ocultação do cadáver.

Já Rachel e Thaís foram acusadas de montar guarda em torno da UPP, junto com Jairo e Fábio.

Os outros oito policiais condenados pelo caso tiveram a condenação mantida, entre eles o ex-comandante da UPP da Rocinha, major Edson Raimundo dos Santos, e do ex-subcomandante, tenente Luiz Felipe de Medeiros.

Crime



O ajudante de pedreiro Amarildo Dias de Souza desapareceu entre os dias 13 e 14 de julho de 2013, após ter sido detido por policiais militares e conduzido, da porta de sua casa, na Favela da Rocinha, zona sul do Rio, em direção à sede da Unidade de Polícia Pacificadora do bairro. De acordo com a Justiça, ele foi torturado e morto por policiais e seu corpo nunca foi encontrado.

Ao todo, 25 policiais foram processados. Um deles morreu antes da decisão, e 12 foram condenados pelo sequestro, tortura, morte e ocultação do cadáver.

 

Veja também:

>> Milicianos "contaminaram" pelo menos oito inquéritos da DH

>> Suzano nasceu do discurso do ódio

>> Pelo menos dez crianças foram assassinadas em atentado em escola em São Paulo

>> Merendeira protegeu pelo menos 50 crianças do massacre de Suzano

>> Dallagnol defende interesse dos EUA em projeto de Fundação com recursos da Petrobras

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
No dia em que morte de Marielle faz um ano, Justiça solta citados no caso Amarildo
 

Copyright 2019 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!