• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 

Conexão TV

Terça-feira, 21 de Novembro de 2017

Funcionários do SBT cancelam festa de fim de ano por conta das demissões

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > polícia > segurança pública

Polícia - Segurança Pública

 

Quarta-feira, 13 de Setembro de 2017

Comandante-geral dos Bombeiros pede exoneração após denúncias de corrupção

Coronel pediu exoneração após denúncias que envolvem assessores
Coronel pediu exoneração após denúncias que envolvem assessores
Douglas Corrêa - Repórter da Agência Brasil

O secretário de Defesa Civil do estado do Rio de Janeiro e comandante-geral do Corpo de Bombeiros, coronel Ronaldo Alcântara, pediu exoneração do cargo na tarde de hoje (12) após a operação que prendeu bombeiros militares envolvidos em um esquema de venda de alvarás para funcionamento de estabelecimentos comerciais, casas de espetáculos e até estádios de futebol. A informação foi confirmada pelo Palácio Guanabara, sede do governo estadual.

Dois assessores diretos do secretário de Defesa Civil estariam envolvidos no esquema. O atual subcomandante-geral e chefe do Estado-Maior Geral, coronel Roberto Robadey, responderá pelo comando da corporação, bem como pela secretaria de Estado de Defesa Civil, por determinação do governador.

A Secretaria de Defesa Civil vai divulgar um comunicado sobre o pedido de exoneração do secretário ao governador Luiz Fernando Pezão.

Até o momento, já foram cumpridos 34 dos 38 mandados de prisão expedidos pela 1ª Vara Criminal de Nova Iguaçu. A ação foi realizada nas casas dos suspeitos, quarteis do Corpo de Bombeiros e sede de empresas envolvidas.

Os dois assessores do secretário indicavam os comandantes das unidades, que contavam com a participação dos bombeiros lotados no setor de Engenharia, além de bombeiros da reserva e civis, que intermediavam os pagamentos das propinas pagas por empresários para obtenção do documento que permitia o funcionamento do empreendimento.

Fluminense

Na ação, foi identificada também a falta de um documento para liberação, no ano passado, do Estádio Giulite Coutinho, do clube América, em Edson Passos, na cidade de Mesquita, na Baixada Fluminense. O estádio era usado pelo Fluminense.

O Fluminense informou, por meio de nota, que" jamais se valeu de práticas ilegais e nem se utilizou de vantagens indevidas com qualquer órgão público. O clube repudia atitudes irregulares em todas as suas formas e preza pelo cumprimento da legislação em vigor. O Fluminense sempre cumpriu todas as exigências necessárias para atuar dentro da normalidade. A instituição se coloca à disposição para o que for necessário".

 

Veja também:

>> Presidente da Friboi, Wesley também é preso pela PF

>> Bizarrice na TV: Zezé Di Camargo quer a volta da ditadura - vídeo

>> Xico Sá critica Zezé Di Camargo: "se o pau de arara fosse no seu c...."

>> Preparador de Ayrton Senna é preso por assédio sexual

>> Bombeiros do Rio suspeitos de receber propina para liberar estabelecimentos

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Comandante-geral dos Bombeiros pede exoneração após denúncias de corrupção
 

Copyright 2017 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!