• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 

Conexão TV

Sábado, 03 de Novembro de 2018

Alec Baldwin é preso após confusão em estacionamento

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > notícias internacionais

Notícias Internacionais

 

Sexta-feira, 14 de Setembro de 2018

Argentinos protestam contra crise na Educação

Sem acordo com o governo, professores seguem em greve
Sem acordo com o governo, professores seguem em greve

Se a Economia no governo Maurício Macri dá claros sinais de desfazimento, com crescente número de desempregados e miseráveis, a Educação também dá sinais de derretimento. Assim, milhares não surpreendeu que professores e estudantes argentinos tenham saído em marcha nesta quinta-feira (13), em Buenos Aires, em protesto contra o governo de Mauricio Macri, para exigir resposta às demandas salariais e à solução da crise que atravessa a educação pública naquele país. Os manifestantes caminharam do Ministério da Educação até o Congresso.

Nesta quinta, completou o segundo dia da greve de 48 horas convocada pelo sindicato dos docentes. A categoria exige a retomada das negociações para que chegue a um acordo sobre aumentos salariais, além da restauração de condições dignas de trabalho, a reparação de centros educacionais e melhores oportunidades de estudo para os alunos.

Leia também:
Por que a crise argentina, onde há saques em supermercados, não é assunto no Brasil?

"Antes do Congresso, os representantes do povo e Casa do Governo atrás de nós, dois símbolos da democracia dizer. Nós não temos medo, lutar e lutar", disse o representante da (Petrocini.

A representante da Federação de Educadores de Buenos Aires (FEB) Mirtha Petrocini disse que o protesto pacífico foi dedicado a Nicolás Avellaneda, professor morto em uma explosão, em agosto, após um vazamento de gás causado pelo abandono da escola em que trabalhava.

Por sua vez, a líder da Confederação dos Trabalhadores da Educação da República Argentina (Ctera), Sonia Alesso, pediu ao presidente Mauricio Macri que estabelecesse um orçamento maior para o setor educacional. "É uma greve para dizer ao governo de Macri que queremos um orçamento para a educação, além de aposentadoria para professores e bolsas de estudo para nossos filhos", exigiu ela.

As discussões e mesas de negociações com o governo começaram em fevereiro deste ano, mas, segundo o sindicato, ainda não foram apresentadas soluções viáveis ​​e concretas sobre as petições dos professores públicos e privados da Argentina.

Com informações da RBA

 

Veja também:

>> Caso Marielle seis meses depois apresenta como resultado blablablá

>> Jornal Nacional vai "fuzilar" Haddad esta noite

>> Na CBN, Tarcísio anuncia que metade das secretarias ocupadas por mulheres

>> EUA vivem epidemia de cigarro eletrônico

>> Pesquisa Vox Populi revela que Haddad já lidera disputa

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Argentinos protestam contra crise na Educação
 

Copyright 2018 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!