• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 
Audiência na TV

Terça-feira, 22 de Setembro de 2020

Mignonnes: corra e assista no Netflix antes que Damares censure
Audiência na TV

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook

Conexão TV

Quarta-feira, 23 de Setembro de 2020

"Remédio Amargo": filme que lava a alma da mulher oprimida

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > gastronomia > restaurantes

Gastronomia - Restaurantes

 

Quinta-feira, 13 de Dezembro de 2012

Tigre não volta para segundo tempo e dá título ao São Paulo: PMs teriam feito ameaças

Da Redação com agências

PMs se posicionaram diante da túnel do Tigres. Por que?
PMs se posicionaram diante da túnel do Tigres. Por que?
A final da Copa Sul-Americana entre São Paulo e Tigre entra para a história como um jogo que não teve fim, mas com um campeão: o Tricolor. Acusando a Polícia Militar de tê-los ameaçados com armas de fogo no vestiário, os jogadores do time argentino se recusaram a voltar para o segundo tempo, e o árbitro chileno Enrique Osses se viu obrigado a encerrar a partida. O placar marcava 2 a 0 para o Tricolor.

Depois de mais de 30 minutos esperando pela volta do Tigre, a arbitragem decretou o jogo como encerrado, dando o título ao São Paulo. Enquanto os jogadores brasileiros comemoravam, dirigentes argentinos invadiram o gramado para protestar contra a arbitragem. Ainda no campo, o delegado da Conmebol disse que, com o fim do jogo, o São Paulo foi declarado vencedor e, consequentemente, campeão. Logo depois, o presidente da entidade, Nicolas Leoz, entregou as medalhas e o troféu aos jogadores são-paulinos. Campeão da Sul-Americana, o Tricolor enfrentará o Corinthians na Recopa, no ano que vem, numa inédita decisão de torneio internacional entre os dois rivais paulistas.

A confusão começou no campo, logo após o fim do primeiro tempo, quando o atacante Lucas passou pelo lateral-esquerdo Orban oferecendo a ele, de forma irônica, o chumaço de algodão que estancava o sangramento em sua narina direita. Lucas havia sido atingido pelo argentino pouco antes.

Não demorou para que jogadores do Tigre cercassem o camisa 7 do São Paulo. A confusão foi generalizada. Revoltados com a provocação – e, claro, com a derrota na bola -, os argentinos partiram para cima dos são-paulinos e por pouco não invadiram o vestiário do time da casa. Policiais precisaram intervir e, segundo jornalistas argentinos, houve confronto da PM com os jogadores. O técnico Nestor Gorosito, em entrevista à ESPN Argentina, acusou os policiais de terem ameaçado seus jogadores com armas de fogo. Ele chamou os jogadores do São Paulo de "cagões" e afirmou que "só se garantem com os policiais". Ao canal Fox Sports, o volante Galmarini afirmou:
- Não queria que terminasse da maneira que terminou. Estou triste por acabar assim, sendo ameaçado com um cassetete e um revólver.

Lucas provoca Orban (com a bola) e depois é repreendido por Ferreira (Foto: Agência Reuters)
Lucas, em entrevista à TV Globo, disse não ter provocado ninguém. Ele lamentou, na verdade, que os argentinos estivessem abusando da violência em campo.
- Se a equipe deles quer bater, temos de responder na bola - disse Lucas, ainda sem saber da suspensão do jogo.
A primeira partida da decisão entre São Paulo e Tigre, na Bombonera, na quarta-feira passada, já havia tido confusão. O atacante Luis Fabiano, do Tricolor, e o zagueiro Donatti, do Tigre, foram expulsos após se agredirem em campo.

Policiais em frente ao túnel do vestiário do Tigre no Morumbi (Foto: Agência AP)
Na terça-feira, mais polêmica: o Tricolor impediu o Tigre de treinar no Morumbi, sob alegação de que o gramado, castigado após a realização de um show da cantora Madonna, precisava ser preservado. Os argentinos tiveram de treinar no Canindé.
Momentos antes do jogo no Morumbi, mais confusão. Os jogadores do Tigre tentaram fazer o aquecimento no gramado, mas foram novamente impedidos, desta vez com truculência, por seguranças do São Paulo.


Como foram os 45 minutos de jogo
Em campo, o São Paulo se mostrou superior ao Tigre durante toda a primeira etapa. O time tomava a iniciativa, mas encontrava uma forte marcação pela frente. As pontas, principais válvulas de escape no esquema de Ney Franco, foram muito bem bloqueadas por Nestor Gorosito, técnico do Tigre. Lucas e Osvaldo tinham vigilância severa.

Com isso, a chave do jogo estava no meio. E Jadson, no primeiro lance em que teve espaço para jogar, criou a jogada do gol. Aos 22, quando o São Paulo tinha 65% de posse de bola, contra 35% do rival, ele achou Willian José na entrada da área. O atacante recuou para o camisa 10, que foi travado no chute. Na sobra, Lucas fintou o marcador e bateu cruzado, de pé esquerdo, no canto esquerdo de Albil: 1 a 0, festa no Morumbi e choro do camisa 7, que foi abraçado pelos companheiros, em sua despedida do clube - ele se apresenta ao Paris Saint-Germain, da França, em janeiro.

O Tigre mal se recuperou do primeiro golpe e levou o segundo. Aos 28, Lucas deu ótima assistência para Osvaldo, que, em posição duvidosa, invadiu a área pelo lado direito e bateu por cima de Albil, com muita categoria: 2 a 0. Imediatamente, começou a ecoar o grito no Morumbi.
- Ô o campeão voltou, o campeão voltou, o campeão voltoouuuu....
Com o título praticamente perdido, os argentinos perderam a compostura. Aos 39, Orban acertou uma cotovelada em Lucas, que caiu com o nariz sangrando. Enrique Osses nem falta marcou e ainda advertiu o são-paulino, que precisou ser atendido fora de campo. Quando voltou, foi acertado novamente, desta vez por Godoy, que levou cartão amarelo.

Todos no estádio pareciam pressentir que, a qualquer momento, a confusão tomaria conta da partida. E foi o que aconteceu. Assim que Osses apitou o fim do primeiro tempo, e Lucas provocou Orban, argentinos e são-paulinos partiram para a briga, com participação de seguranças do Tricolor e policiais militares. O Tigre não voltou do vestiário, o jogo acabou mais cedo do que deveria, mas o final foi feliz para os são-paulinos, que conquistaram o inédito título da Sul-Americana, colocando fim a um jejum de quatro anos.

Em 1981, Botafogo também denunciou pressão sobre arbitragem

Era a semi-final do Campeonato Brasileiro de 1981. O Botafogo havia vencido o São Paulo por 1 a 0 no Maracanã e tinha a vantagem do empate na segunda partida no Morumbi. Ainda no primeiro tempo o alvinegro fez 2 a 0. Mas quase aos 45 minutos o juiz deu um pênalti a favor do São Paulo em lance claramente normal. Na descida para o intervalo seguranças do São Paulo pressionaram juízes com armas e empurrrões. A partir daí o jogo fugiu ao controle com muitas faltas e lances duvidosos claramente favoráveis ao time da casa. O jogo terminaria 3 a 2 para o tricolor paulista e entraria para a história como uma das grandes injustiças do futebol.

 

Veja também:

>> Calma! O mundo já esteve prestes a acabar outras 10 vezes! Veja o vídeo

>> "JN" perde posto de jornal mais visto do dia para noticiário regional

>> Paul McCartney assume lugar Kurt Cobain em show do Nirvana

>> Corinthians, no sufoco, vence egípcios e vai a final - Vídeo

>> Pamela Anderson, a preferida de Borat, quer R$ 300 mil para participar do Miss Bumbum - vídeo

>> Mulher ateia fogo ao próprio corpo para se livrar do marido - Veja o vídeo

>> Seis capitais concentram 1/4 das riquezas do Brasil, revela o IBGE

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Tigre não volta para segundo tempo e dá título ao São Paulo: PMs teriam feito ameaças
 

Copyright 2020 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!