• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 
Audiência na TV

Segunda-feira, 15 de Outubro de 2018

Caetano entrevista Manuela D'Ávila
Audiência na TV

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook

Conexão TV

Terça-feira, 02 de Outubro de 2018

Globo X Record: nem nas pesquisas as emissoras combinam

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > estética > beleza

Estética - Beleza

 

Sábado, 20 de Janeiro de 2018

Miss Bélgica: do trono ao bullying nas redes sociais

Angeline Flor Pua
Angeline Flor Pua

Da Redação (RTL)

Ela caiu do pedestal e, para quem conhece do assunto, sabe que isso pode tornar o processo mais doloroso do que o da inexistência de coroação. Eplicamos: Coroada Miss Bélgica em janeiro, Angeline Flor Pua, de 22 anos, tem sido vítima de racismo nas redes sociais. Isso porque ela, nascida na Antuérpia, tem ascendência asiática: seus pais são filipinos. Desde que conquistou o título de mulher mais bonita do país, deixando para trás 29 candidatas, Angeline, que estuda para ser pilota de avião, tem sofrido ataques racistas na internet.

A maioria dos comentários diz que ela não é genuinamente belga. No Twitter, uma pessoa escreveu: "Espero que ela não seja uma Miss Lady Boy", fazendo referência à maneira como são chamadas as transexuais na Tailândia.

Outro postou: "O que é racista sobre pensar se uma criança com pais filipinos deveria ser Miss Bélgica? Eu chamo de Miss Filipinas, não Miss Bélgica".


Para tudo uma primeira vez
Para tudo uma primeira vez  


"Claro que machuca muito ler essas coisas a meu respeito, porque eu sei que não são verdadeiras", declarou Angeline à BBC.

Para aqueles que duvidam de sua nacionalidade, a estudante diz: "Posso mostrar meu documento de identidade, minha certidão de nascimento, para provar que sou belga".


Angeline diz que esta é a primeira vez que sofre esse tipo de preconceito. "Sempre fui aceita pelas pessoas no trabalho, na escola, em todo lugar", fala. "Por isso estou muito chocada com essas notícias."

A miss também contou com apoio de belgas no Twitter. Uma pessoa questionou se para ser Miss Bélgica é "preciso ser loira". Outra parabenizou o concurso. "É a prova de que a maioria dos belgas está abraçando a diversidade", postou.

A estudante diz que racismo é um tema "muito sensível" não só na Bélgica, mas no mundo todo. "Estamos enfrentando isso hoje, e eu sou uma vítima, como vocês podem ver", fala.

E manda um recado para quem também sofre preconceito. "Vocês sabem o melhor que têm, não se sintam mal, mas sim orgulhosos de quem são, do que são e de onde vêm. Lembrem-se que vocês continuam sendo seres humanos com bom coração."

 

Veja também:

>> Globo pode cortar salário de repórteres "medalhões"

>> A humilhação imposta a Cabral é exemplo de vingança e não de Justiça

>> Congressistas americanos veem Lula perseguido pela Justiça brasileira

>> Morales quer proibir expansão de seitas evangélicas no país

>> Igreja evangélica já aceita Bitcoin

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Miss Bélgica: do trono ao bullying nas redes sociais
 

Copyright 2018 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!