• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 

Conexão TV

Quinta-feira, 10 de Outubro de 2019

Guga Chacra "esculacha" Eduardo Bolsonaro

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > esportes > futebol > internacional

Esportes - Futebol - Internacional

 

Quinta-feira, 28 de Maio de 2015

A prisão de José Maria Marin e a compra de resultados no futebol - vídeo

Por Fábio Lau e Rogério Imbuzeiro

Sobre José Maria Marin pairavam denúncias graves. Algumas até bizarras. Mas sua prisão só ocorreu no exterior. E ele foi preso com outras seis pessoas sobre quem pesavam suspeitas de envolvimento na compra e manipulação de resultados de futebol. Segundo o chefe do FBI, James Comey, que deu entrevista coletiva, Marin integraria um grupo que comercializa sedes de países que querem sediar a Copa do Mundo e agências que comercializam o direito de transmissão. Tudo envolveria o pagamento de propina.

O tema no Brasil não soa completamente novo. O ex-presidente da Fifa, João Havelange, e seu ex-genro, Ricardo Teixeira, foram acusados de receber propina e obrigados a renunciar à sua cadeira na instituição e também no COI para escaparem da investigação. Marin, ao assumir a presidência da CBF, era uma pessoa sobre quem recaíam denúncias graves. Participação ativa durante a ditadura militar na delação de opositores do governo. Roubo de uma medalha esportiva (video abaixo) e até de energia elétrica. Mesmo assim foi visto com credenciais para estar à frente da CBF durante a Copa do Mundo no Brasil.

Além das Copas de 2018, na Rússia, e de 2022, no Qatar, há suspeitas também de que tenha havido corrupção na escolha da África do Sul como sede da Copa de 2010. Não se falou nada sobre a escolha do Brasil em 2014. O presidente da Rússia, Vladimir Putim, acredita que haja um complô americano para difamá-lo mundialmente. E o motivo, afirma, não seria futebol. Mas a política internacional onde EUA e Russia estão em confronto.

Além de Marin, também foram detidos Jeffrey Webb (Ilhas Cayman), presidente da Concacaf; Eugenio Figueredo (Uruguai), que também integra o comitê da vice-presidência executiva e até recentemente era presidente da Conmebol; Julio Rocha (Nicarágua), presidente da Federação Nicaraguense; Costas Takkas, braço-direito do presidente da Concacaf; Rafael Esquivel, presidente da federação da Venezuela e membro do Comitê Executivo da Conmebol; e Eduardo Li, presidente da Federação da Costa Rica.

Loretta Lynch, procuradora-geral dos EUA: não tem perdão
Loretta Lynch, procuradora-geral dos EUA: não tem perdão  


Compra de resultados


O que há de mais explorado no mundo do futebol e as falcatruas que o cercam são a compra de resultados de jogos. Até mesmo atletas que jogavam na seleção italiana já foram acusados. E não é de hoje. Gattuso, que vestiu a camisa da Azurra, foi denunciado em 2013 como envolvido com a máfia da manipulação de resultados do futebol no país.

Leia também: José Maria Marin é preso na Suíça por corrupção // Copas de 2018 e 2022 são investigadas por suspeitas de fraude e propina

E mais: Dilma se recusa a receber presidente da CBF acusado de ligação com a ditadura

No Brasil, onde o ambiente é sabidamente propício à corrupção, apenas um caso mereceu maior destaque. O que denunciava como único envolvido no esquema o árbitro de futebol Edilson Pereira de Carvalho, no campeonato brasileiro de 2005. Na ocasião, quando um mafioso da bola passou a trabalhar com o Corinthians, e altos investimentos foram feitos na equipe paulista, o juiz revelou o pagamento de propina para favorecer alguns times e, ao obrigarem a realização de novas partidas, o Corinthians acabou se favorecendo. O estranho é que pouca gente ligada ao esporte protestou aquela operação com fantasia de futebol. Teria sido ingenuidade?

No caso envolvendo Marin algumas coisas chamam a atenção. A participação ativa do empresário e publitário da Traffic, José Hawilla, de 71 anos, no esquema de comercialização de transmissões de várias competições. A agência vendia para TVs e o lucro era repartido entre os integrantes da máfia.

Veja o vídeo: O roubo da medalha por Marin

 

Veja também:

>> Carina Vitral, a comunista que disputa presidência da UNE

>> Goiás reduz folha de pagamento e mantém elenco formado na base

>> Copas de 2018 e 2022 são investigadas por suspeitas de fraude e propina

>> Ciclovia da Lagoa afunda próximo ao local do assassinato do médico

>> Mais de 800 já morreram na Índia vítimas da onda de calor

>> Sete exemplos de como o racismo afeta crianças negras nos EUA

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
A prisão de José Maria Marin e a compra de resultados no futebol - vídeo
 

Copyright 2019 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!