• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 
Audiência na TV

Segunda-feira, 17 de Junho de 2019

Paulo Betti é processado por racismo em clima de disputa sindical
Audiência na TV

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook

Conexão TV

Terça-feira, 18 de Junho de 2019

Condenado a indenizar padres, Ratinho foi só sorrisos ao receber Sérgio Moro

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > futebol > carioca

Futebol - Carioca

 

Quarta-feira, 27 de Dezembro de 2017

2018 e a guerra anunciada

Os conflitos interpessoais e sociais vão voltar a se acirrar
Os conflitos interpessoais e sociais vão voltar a se acirrar

Por Fábio Lau*

Não haverá trégua em 2018. De parte a parte (leia-se direita e esquerda)o ano que entra vai virar cenário de guerra. E não vai tardar. Em janeiro, na segunda quinzena, a decisão sobre a possibilidade ou não de Lula disputar as eleições irá acender o fogo na pira política. A disputa judicial, inevitável, entre defesa de Lula, MP, Judiciário, STF e mídia, vai se prolongar. Entretanto, os grupos que tentam impedir o retorno do ex-presidente vai tentar prorrogar a batida de martelo até o momento em que a vitória eleitoral se mostrar inevitável: no segundo semestre de 2018. Só falta combinar com os russos.

Há quem aposte que haverá um armistício informal até junho por conta da Copa do Mundo. Haveria, sim, caso o TRF4 não tivesse antecipado sua estreia no teatro da política. Particularmente não acredito neste duende verde e amarelo. Explico: O dia 24 de janeiro, em Porto Alegre, quando o TRF4 vai decidir se ratifica ou não a condenação de Lula por Moro, será o marco, a largada deste novo processo político e social.

O brasileiro, hoje, está envergonhado de si. A propalada omissão diante das perdas de conquistas nos campos previdenciário e trabalhista deverá estancar tão logo a decisão sobre Lula se consolide. Falta, portanto, um motivo a mais para explodir. E a vergonha nacional ficou ainda mais evidente com o comportamento da vizinha Argentina: o povo de lá mostrou como é que se deve fazer para lutar pela preservação dos direitos.

No campo digital, das mídias sociais, onde conflitos de ordem pessoal dividiram o país entre dois grupos nos últimos três anos, e determinou o rompimento de longas amizades, a coisa tende a se acirrar. Os amigos sobreviventes, por certo, voltarão a se estranhar.

Silenciosos desde que o golpe mostrou-se uma jogada de oportunistas, os eleitores da direita podem até admitir o erro na aposta, diante do fracasso Temer, mas jamais se curvarão a evidência de que o PT é a única saída viável para o país. Tampouco seu símbolo maior: Lula.

E sem um nome minimamente confiável à direita, sua única alternativa será Bolsonaro.

Este, é sabido, só manterá a candidatura caso Lula saia da disputa. O militar de extrema direita, defensor da ditadura e contrário às principais conquistas sociais do ciclo PT, sabe que não vencerá Lula e não poderá arriscar a perda da imunidade parlamentar.

A guerra é inevitável. E tem dia e hora marcados.

* Fábio Lau é jornalista, não tem bola de cristal, mas costuma acertar um ou até dois números na Mega Sena.

 

Veja também:

>> 14% dos alunos de escolas privadas do Rio tentam migrar para públicas

>> Feriados em 2018

>> A academia dos Meninos Bons bancada com dinheiro suspeito

>> Peruanos repudiam decisão do presidente de perdoar ditador Fujimori

>> Paulo Ramos: aguardo ansiosamente minha expulsão do PSOL - vídeo

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
2018 e a guerra anunciada
 

Copyright 2019 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!