• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 
Audiência na TV

Segunda-feira, 03 de Agosto de 2020

Felipe Neto critica Globo e CNN em entrevista na Globonews - vídeo
Audiência na TV

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook

Conexão TV

Quinta-feira, 06 de Agosto de 2020

Netflix: Rede de Ódio é um filme obrigatório nestes tempos

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > educação

Educação

 

Terça-feira, 07 de Agosto de 2012

Governo pressiona pelo fim da greve das Universidades Federais

Do Portal 247

Greve: reposição deve durar até fevereiro
Greve: reposição deve durar até fevereiro
Brasília 247 - O Ministério da Educação encaminhou nesta terça-feira 7 um circular aos reitores das universidades e institutos federais. No texto, ele cobra dos conselhos superiores um cronograma para a reposição das aulas e das atividades interrompidas por conta da greve dos professores. Paralisação está entrando no terceiro mês.

O documento é assinado pelos secretários da Educação Superior e da Educação Profissional e Tecnológica. Na circular, a pasta afirma que o a reposição será fiscalizada diretamente pelo MEC.

Na segunda-feira 6, o presidente do Supremo Tribunal de Justiça, ministro Ari Pargendler, suspendeu a decisão da Justiça Federal que impedia a União de descontar os dias parados em movimentos grevistas, mesmo que a greve seja considerada legítima. O gestor público deve descontar os dias parados, ainda que depois na negociação do movimento, este desconto seja devolvido, afirmou o ministro.

No caso da greve dos professores, não foram descontados os dias parados, já que os docentes devem repor o calendário de aulas e atividades acadêmicas durante o período das férias. Provavelmente, com o movimento, os docentes terão que trabalhar durante os meses de dezembro, janeiro e fevereiro.

Também na segunda, professores das universidades federais do Rio Grande do Sul (UFRGS e UFCSPA) e de São Carlos (SP), além do Instituto Federal do Rio Grande do Sul, votaram pela volta às atividades.

Em outras assembléias, tomadas, sobretudo por aposentados e novos professores, o movimento grevista foi mantido. O sindicato sustenta a proposta de um plano de carreira onde a ausência de titulação e aposentadoria não seja um entrave para a progressão.

Levantamento realizado nas principais universidades e institutos federais mostra que os professores de pós-graduação, dos cursos de engenharia, tecnologia e medicina já retomaram as atividades. A greve está restrita apenas a área de Humanas.

 

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Governo pressiona pelo fim da greve das Universidades Federais
 

Copyright 2020 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!