• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 
Audiência na TV

Quinta-feira, 12 de Dezembro de 2019

Boa dica Netflix? "História de um casamento".
Audiência na TV

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook

Conexão TV

Quinta-feira, 12 de Dezembro de 2019

Charlie Sheen, a lenda, comemora dois anos longe das drogas

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > educação

Educação

 

Sexta-feira, 29 de Novembro de 2019

80 mil escolas foram fechadas no campo em 21 anos

Unidade Escolar Bernardo Sabino, no assentamento Palmares, em Luzilândia, no Piauí / Nemoel Klessler Costa Silva
Unidade Escolar Bernardo Sabino, no assentamento Palmares, em Luzilândia, no Piauí / Nemoel Klessler Costa Silva


Por Paulo Alentejano* e Tássia Cordeiro**

No ano de 2011, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) lançou uma campanha de denúncia contra o fechamento de escolas no campo brasileiro, denominada "Fechar escola é crime", apontando o fechamento de 24 mil escolas no campo entre 2002 e 2010. Isso correspondia ao encerramento das atividades de 3 mil escolas por ano, o que já era uma barbaridade.


Infelizmente, a campanha não surtiu o efeito esperado, apesar de ter sido aprovada uma lei, em 2013, que obrigou a realização de consulta às comunidades antes do fechamento de escolas.

Levantamento atualizado, com base nos dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) sobre o número de estabelecimentos de ensino na Educação Básica, revela que foram fechadas quase 80 mil escolas no campo brasileiro entre 1997 e 2018. As escolas rurais seguiram sendo fechadas em grande quantidade.

Assim, não surpreende que os níveis de escolaridade no campo brasileiro continuem sendo significativamente inferiores aos das áreas urbanas.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a partir de dados do Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad, 2017), a taxa de analfabetismo no campo é de 17,7%, contra 5,2% nas cidades. Já a escolaridade média é de 8,7 anos no campo e 11,6 nas cidades.

A gravidade desses números por si aponta para o absurdo de se continuar fechando escolas no campo, mas, infelizmente, o fechamento de escolas se transformou em prática generalizada no país. Apenas três estados - Roraima, Amapá e Mato Grosso do Sul - abriram mais escolas no campo do que fecharam ao longo desses anos.

O problema, no entanto, é especialmente mais grave no Nordeste, onde foram mais de 40 mil escolas, ou seja, mais da metade do total das unidades fechadas no país, sendo que a Bahia foi o estado com maior número no período, com 12.815 mil escolas fechadas.

Vale dizer que o fechamento de escolas não corresponde proporcionalmente à redução das matrículas escolares. Em 1997, havia mais de 7,4 milhões de estudantes matriculados em escolas rurais e esse número diminuiu para cerca de 5,4 milhões em 2018, ou seja, uma redução de 26,1%, bem inferior à taxa de 58% de fechamento de escolas rurais.

Isso significa dizer que foram fechadas, sobretudo, as menores escolas e redistribuídos estudantes para as maiores, em um processo conhecido como nucleação.

Uma das principais consequências disso é o aumento do tempo de deslocamento das crianças até às escolas, gerando mais cansaço e aumentando os riscos associados ao deslocamento dessas crianças entre casa e a escola.

Urge dar um basta a essa prática sistemática de fechamento de escolas no campo e mais do que nunca reafirmar: fechar escola é crime!

*Paulo Alentejano é professor do Departamento de Geografia da Faculdade de Formação de Professores da Universidade Estadual do Rio de Janeiro e coordenador do Grupo de Estudos e Pesquisas em Geografia Agrária (GeoAgrária).

**Tássia Cordeiro é professora do Instituto Federal Fluminense e doutoranda do Programa de Políticas Públicas e Formação Humana da UERJ.

Edição: Camila Maciel

Publicado originalmente no Brasil de Fato

 

Veja também:

>> Bolsonarista mata esquerdista após discussão em Balneário Camboriu (SC)

>> Torcedor do Flamengo é condenado a 19 anos por assassinar torcedor do Botafogo

>> A decisão do TRF4 e o artigo de Bernardo Mello Franco

>> Um negro que defende a escravidão e não acredita em racismo? Existe.

>> Bolsonaro é alvo em Corte Internacional por "incitar genocídio indígena"

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
80 mil escolas foram fechadas no campo em 21 anos
 

Copyright 2019 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!