• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 

Conexão TV

Sábado, 17 de Abril de 2021

Jornalista teria sido vítima de racismo dentro da CNN

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > cultura > novas mídias

Cultura - Novas Mídias

 

Quarta-feira, 07 de Abril de 2021

O "mea culpa" que falta aos meios de comunicação

Roberto Stuckert Filho/PR - Dilma vítima de ataques misóginos impostos pela própria mídia - e muitas vezes por mulheres jornalistas
Roberto Stuckert Filho/PR - Dilma vítima de ataques misóginos impostos pela própria mídia - e muitas vezes por mulheres jornalistas


Por Vanessa Grazziotin*

No editorial do jornal Folha de S. Paulo de sábado (3) com o título Mulheres para trás: baixa participação feminina na política derruba o Brasil em ranking de igualdade de gênero, o periódico procura enfrentar a questão das desigualdades de gênero no Brasil. Reconhece acertadamente os retrocessos registrados em nosso país quanto à participação das mulheres nos espaços de poder, sobretudo na política. Reconhece, da mesma forma, os retrocessos institucionais quanto à busca da equidade entre os gêneros.



Reconhece finalmente que tais retrocessos ocorreram principalmente nos governos que sucederam Dilma Rousseff (PT), ou seja, nas gestões de Michel Temer (MDB) e Jair Bolsonaro (sem partido).

Apesar de citar os inaceitáveis ataques misóginos sofridos pela presidenta Dilma, o editorial peca profundamente quando ele próprio procura apresentar justificativas e razões para tais agressões.

Como se fosse possível justificar qualquer forma de violência e de agressão contra quem quer que seja. Não! Não é possível!

O jornal, voluntariamente ou não, acabou por repetir aquela velha e lamentável máxima que prevalece nas sociedades machistas, onde a culpa é sempre da mulher, dizem "mas, o que ela estava fazendo sozinha na rua tão tarde da noite" ou "quem mandou usar aquela saia curta".

O periódico, de uma outra forma, faz o mesmo quando "justifica" que foi por conta da forma de governar de Dilma, por conta de sua política econômica, à que se refere como uma "desastrosa condução econômica" (opinião da qual discordo profundamente) que Dilma sofreu os inúmeros e inaceitáveis ataques e violências.

Não! Não foi por sua forma de governar que a presidenta sofreu tantos ataques, foi pelo fato de ser mulher. Somente por ser mulher.

Quem não lembra das tantas capas das revistas de circulação nacional durante o golpe? Que estampavam as piores fotos de Dilma com os títulos mais ofensivos, como "As explosões nervosas da presidente" ou "Uma presidente fora de si", entre tantos outros.

Tratavam a presidenta como uma pessoa "desequilibrada". Um homem jamais sofrera ou sofrerá esse tipo de agressão, pelo contrário, sempre foram e serão vinculados à força, à coragem, ao poder e à determinação.

Quanto aos retrocessos impostos às mulheres no Brasil do pós-golpe, precisamos lembrar as duras críticas feitas, inclusive pelos meios de comunicação, tanto à Lula, quanto à Dilma, em relação às políticas afirmativas adotadas em seus governos, políticas que seguiam inclusive diretrizes de organismos internacionais, e que garantiram às negras e aos negros no Brasil ingressarem nas universidades, às mulheres acessarem mais direitos, incluindo o título da sua própria casa, aos ribeirinhos da Amazônia terem acesso à energia elétrica e aos municípios isolados contarem com universidades públicas.

Criticavam as cotas raciais e de gênero principalmente, e faziam, como fazem hoje, apologia à "meritocracia".

O editorial, portanto, que se propôs a analisar dados concretos e objetivos, que retratam os retrocessos do Brasil diante do mundo, nas questões de gênero e no maior empobrecimento das mulheres, deveria, para ser honesto consigo mesmo e com seus eleitores, fazer como fez Becky S. Korich, em artigo publicado na última sexta feira, dia 02, no próprio jornal Folha de São Paulo, cujo título era "Mea-culpa" e onde a autora faz uma profunda auto crítica sobre o voto em Bolsonaro nas eleições de 2018!

Quem sabe um dia ainda não veremos a mesma autocrítica por parte dos meios de comunicação? Inclusive em relação ao golpe de 2016? Quem sabe?

* Vanessa Grazziotin - nascida em Santa Catarina há 59 anos, é uma política brasileira que foi senadora do Estado do Amazonas pelo PCdoB. Antes ocupou a Câmara dos Vereadoras de Manaus e foi deputada federal eleita pelo estado.

 

Veja também:

>> Jornal se solidariza com jogador alvo de racismo: 'Não está sozinho'

>> O Brasil que cruza os braços diante do genocídio crescente

>> Bolsonaro sugere que isolamento social é coisa de "frouxo!"

>> Produção de Fátima Bernardes erra feio e homenageia guru no lugar de Timóteo

>> Futebol da depressão: uma análise de Babi e dos tricolores recusados

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
O "mea culpa" que falta aos meios de comunicação
 

Copyright 2021 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!