• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 
Audiência na TV

Quinta-feira, 14 de Janeiro de 2021

A cientista que ofendeu Caetano e Felipe Neto
Audiência na TV

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook

Conexão TV

Terça-feira, 12 de Janeiro de 2021

Lupin: Série francesa da Netflix quebra recorde na plataforma

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > cultura > novas mídias

Cultura - Novas Mídias

 

Segunda-feira, 26 de Setembro de 2016

O Cinema Novo

Por Francis Ivanovich

Cena do documentário Cinema Novo, de Eryk Rocha
Cena do documentário Cinema Novo, de Eryk Rocha

Cinema Novo



O documentário Cinema Novo, de Eryk Rocha, vencedor do 69º Festival de Cannes, 2016, na categoria de Melhor Documentário, é uma das produções mais importantes do cinema brasileiro dos últimos anos. Um documentário oportuno num país trôpego, perplexo, aparentemente sem rumo, desiludido com a política e o sonho.

Cinema Novo nos faz refletir o cinema e o Brasil que queremos. Filho do cineasta Glauber Rocha, Eryk, com este trabalho, me faz recordar de uma dica que David Lynch nos dá em seu livro "Em águas Profundas": Grande parte do trabalho de um cineasta é bom senso. Se você continuar fiel ao que pensa, e refletir a respeito do que faz, estará no caminho certo. É notório que Cinema Novo é criação de um cineasta que reflete sobre cinema, e mais que isso, o cinema que almeja.

O movimento do Cinema Novo não possui uma definição. É missão impossível. Sua complexidade é um desafio até para pesquisadores e cineastas. E um dos grande méritos do filme de Eryk Rocha é ter tido a lucidez, o bom censo, de não tentar explicar o movimento, mas expor suas espessas camadas, suas vertentes, que teve o seu auge nos anos 60 e 70.

Eryk conseguiu dar forma e corpo a esse caleidoscópio construído por realizadores tão distintos, com personalidades marcantes, e que ao mesmo tempo dialogavam e interferiam na obra do outro, de maneira coletiva, mas que, ao final, infelizmente, foram vencidos pela ditadura, sendo obrigados a vivenciar o cinema de maneira individual, como afirma Cacá Diegues no próprio documentário.

Cinema Novo de Eryk Rocha nos enche de esperanças de que ainda seja possível se construir um Brasil para os brasileiros, em que o pensamento crítico, a justiça social, a democracia e a educação nos livre de uma vez por todas dos fardos que nos desviam do nosso destino.

Diante de Cinema Novo somos ainda confrontados com a pergunta o que queremos para o nosso futuro, o que desejamos SER, afinal? Portanto, a atualidade de Cinema Novo é espantosa, um documento vivo que certamente conquistará espaço eterno na história da cinematografia brasileira.


Eryk Rocha: um mergulho no Cinema Novo
Eryk Rocha: um mergulho no Cinema Novo  

















Cinema Novo, fruto do processo de montagem, montagem essa que transcendeu a técnica e a pesquisa, é praticamente documentário-manifesto-poético-filosófico-político, ao trabalhar conscientemente a memória de uma utopia de um Brasil brasileiro transformado socialmente.

Vale lembrar Gilles Deleuze em seu livro a Imagem-Tempo: a montagem como representação indireta do tempo. A que determina as imagens-movimento e pressupõe uma cronologia baseada na lógica de sucessão dos acontecimentos num tempo espacializado. Eryk Rocha consegue transitar por esta pressuposição com maestria, sem ser didático.


A contribuição de Eryk Rocha é inegável. Ele nos faz recordar uma frase de André Bazin: "Salvar-se da efemeridade da vida através da perenização dos instantes". E o fragmento de instantes sólidos é a matéria-prima dessa obra que se ergue como arranha-céus de memória, apontando horizontes.

Arrisco dizer que Cinema Novo torna-se também uma das mais expressivas referências para o chamado cinema de arquivo, que tem por base a utilização e a preservação de acervo audiovisuais públicos e privados. Eryk Rocha cumpri os requisitos do cinema de arquivo que é difundir, reinventar, experimentar, realizar, trazendo a luz um novo olhar sobre momento tão importante da cinematografia nacional. Ao mesmo tempo, o documentário ultrapassa esse gênero com sua poesia e impressionismo, o que nos remete a mestres como Alain Resnais com seus documentários, como em seu Tout ela Mémoire du Monde - "Toda a Memória do Mundo", 1956.

O filme de Eryk Rocha é um antídoto contra o esquecimento de um país que ainda se desconhece, algo que tanto nos faz mal faz e que pode influenciar, quem sabe, novos cineastas a irem de encontro a um cinema brasileiro que não pode continuar refém de um modelo que se espelha numa realidade que não tem nada a ver com a nossa história, um cinema que somente visa o enriquecimento de alguns e o empobrecimento do nosso povo.

Link Trailer Cinema Novo - clique aqui

 

Veja também:

>> Demolição de Temer na Globo começou com Faustão - veja o vídeo

>> Debate na Record: Pedro Paulo vira alvo em noite que Crivella consolidou liderança - vídeo

>> Aragão diz que Alexandre Moraes é irresponsável ou incapaz

>> Com nome de craque, Romário Galvão quer ocupar a grande área na política social

>> Caçada ao PT continua: Antonio Palocci é preso na Lava-Jato

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
O Cinema Novo
 

Copyright 2021 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!