• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 
Audiência na TV

Quinta-feira, 17 de Agosto de 2017

Morre o ator e humorista Paulo Silvino
Audiência na TV

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook

Conexão TV

Segunda-feira, 14 de Agosto de 2017

Hermano Henning processa SBT

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > cultura > novas mídias

Cultura - Novas Mídias

 

Segunda-feira, 31 de Agosto de 2015

DCM: Globo bate em Lula para inviabilizá-lo em 2018

Da Redação

O DCM de Paulo Nogueira, ex-diretor do Grupo Globo, não usou de meias palavras para interpretar a onda de ataques que as empresas de Grupo Globo desferem contra Lula - ao passo que poupa o governo Dilma das críticas que buscavam levar ao impeachment. Para o jornalista, a meta do grupo comandado pela família Marinho é inviabilizar seu projeto de retornar à Presidência da República em 2018. Para tanto, Nogueira coloca seus jornalistas no nível dos fantoches: fazem o que mandam os patrões. Como em uma Matrix, os escravos saberiam, de antemão, como anteder às demandas dos patrões sem que se fizesse necessário impor novas ordens...

Curioso é que no governo Lula as benesses financeiras do governo federal em direção ao grupo familiar foi das mais generosas. Foram mais de uma dezena de bilhões de reais que chegaram ao grupo em forma de publicidade oficial. Outro tanto seguiu no governo de Dilma Rousseff.

Leia o artigo:

Valentemente, assim que os donos determinaram, os jornalistas da Globo pararam de falar no impeachment de Dilma.

Um deles, Erick Bretas, tratou até de trocar a foto de perfil de seu Facebook. Ele tinha colocado a inscrição "gave over" (fim de jogo), por ocasião de uma manifestação anti-Dilma, para a qual conclamara seus seguidores.


Trocou-a, com a nova orientação patronal, por uma bandeira do Brasil.

Agora, com a mesma valentia com que recuaram instantaneamente, os editores, colunistas e comentaristas da Globo avançam, novamente sob ordens patronais, contra Lula.

Todas as mídias da Globo vêm sendo usadas para investir contra Lula, por conta, naturalmente, de 2018.

Tevê, jornal, rádio, internet - são os Marinhos e seus porta-vozes contra Lula.

A novidade aí parece ser a substituição da Veja pela Época na repercussão dos sábados à noite do Jornal Nacional.

Nem para isso mais a Veja serve. Nem para servir de alavanca para o Jornal Nacional. É uma agonia miserável e solitária a da revista dos Civitas.

Lula, em seus anos no Planalto, nada fe para enfrentar a concentração de mídia da Globo, algo que é um câncer para a sociedade pelo potencial de manipulação da opinião pública.

E agora paga o preço por isso.

Verdade que, acertadamente, ele decidiu não ficar "parado". Pássaro parado, disse Lula, é mais fácil de ser abatido.

E então Lula decidiu reagir.

Pelo site do Instituto Lula, ele tem rebatido as agressões dos Marinhos, minuciosamente.

E tem anunciado processos quando se sente injustiçado - um passo fundamental para colocar alguma pressão nos caluniadores e, também, nos juízes complacentes.

Há um tributo involuntário no movimento anti-Lula da Globo. É um reconhecimento, oblíquo que seja, de sua força.

É assim que o quadro deve ser entendido.

Quem pode ser o anti-Lula em 2018? Aécio, Alckmin e Serra, os nomes do PSDB, seriam provavelmente destruídos ainda no primeiro turno.

Imagine Lula debatendo com cada um deles.

Fora do PSDB, é um deserto ainda maior. De Marina a Bolsonaro, os potenciais adversários de Lula equivalem ao Vasco da Gama no Brasileirão.

Neste sentido, o boneco de Lula, o Lulão, surge mais como desespero da oposição do que como uma gesto criativo dos analfabetos políticos de movimentos como o Brasil Livre de Kim Kataguiri.

A Globo vem dando um destaque de superstar ao Lulão, como parte de sua operação de guerra.

E Lula tem respondido como jamais fez. No desmentido da capa da edição do final de semana da Época, ele citou um aporte milionário de 361 milhões de reais do BNDES na Globo, em 2001, no governo FHC.

Ali se revelou outra face dos sistemáticos assaltos da Globo ao dinheiro público: o caminho do BNDES. Não são apenas os 500 milhões de reais em média, ao ano, de propaganda federal. São também outros canais, como o BNDES.

Não é exagero dizer que a Globo, como a conhecemos (não como o jornaleco de província a que se resumiu por décadas) é fruto do dinheiro público.

Como Lula, caso volte à presidência em 2018, tratará a Globo?

É essa pergunta que atormenta os Marinhos, já suficientemente atordoados com o florescimento da internet em oposição à decadência da tevê.

E é isso que explica a heroica valentia patronal dos jornalistas da Globo.

 

Veja também:

>> Com apenas quatro chutes e dois dribles em seis jogos, Ronaldinho coleciona vaias no Fluminense

>> Jogadores de futebol não aguentam orgia, revela Andressa Urach - entrevista

>> "Celebridades escandalosas" expõem seus dramas em livros sob medida para vender no Natal

>> Haiti: morre segundo comandante brasileiro que servia na missão no país

>> TSE rejeita contas de Aécio que omitiu doação da Odebrecht

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
DCM: Globo bate em Lula para inviabilizá-lo em 2018
 

Copyright 2017 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!