• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 
Audiência na TV

Segunda-feira, 16 de Setembro de 2019

Ator vem a público dizer que está vivo
Audiência na TV

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook

Conexão TV

Segunda-feira, 16 de Setembro de 2019

Felipe Neto cancela participação em evento após anunciar ameaça de morte

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > cultura > novas mídias

Cultura - Novas Mídias

 

Quinta-feira, 16 de Maio de 2013

Como matar jornalistas no Brasil - Por Mauro Santayanna

Por Mauro Santayanna

O Brasil é um dos países mais perigosos para os jornalistas. Se excluirmos as zonas de guerra ou de conflito armado interno, o país se encontra à frente nessas estatísticas. Nove já morreram este ano. Aqui nenhum jornalista morre de balas perdidas, como é comum nos confrontos bélicos. Todas acham seu alvo. Só este ano, 4 jornalistas foram assassinados em nosso país - e 600, nos últimos dez anos, no mundo.

Os jornalistas incomodam porque são insistentes testemunhas diante da opinião pública. E há aqueles que ousam ter uma posição política definida, quase sempre contra governantes autoritários e violentos. Desde a independência, matam jornalistas no Brasil. O primeiro caso foi o de Líbero Badaró, assassinado em São Paulo por sicários, a mando do desembargador Candido Ladislau Japi-Açu - mas há quem identifique o próprio Pedro I, como o real mandante do crime.

Líbero Badaró era italiano, e o seu assassino, alemão. Estava no Brasil havia pouco mais de três anos, era médico e jornalista. Fundou, um ano depois de chegar, "O Observador Constitucional", que dirigia pesadas críticas ao Imperador. Com o seu sacrifício, surgia o costume de matar jornalistas e, mais ainda, a impunidade.

O desembargador, identificado como mandante pelo próprio assassino, foi transferido para o Rio de Janeiro, ali julgado e absolvido. Absolvidos foram ainda o alemão Henrique Stock, que disparou a arma, e o tenente Carlos José da Costa, que fora do Rio para São Paulo, a fim de organizar a empreitada.

Durante o Império e a República não foram poucos os jornalistas assassinados. Embora muitos fossem vitimados nas duas maiores cidades do país, Rio e São Paulo, os crimes, em sua maior parte, eram cometidos no interior do país, sem grande repercussão histórica.

O assassinato é a última providência dos que detestam a liberdade de imprensa, que é apenas a liberdade de expressão ampliada pelos meios técnicos. Mas o homicídio dos jornalistas pode ser ainda mais nefando, quando são submetidos à tortura, como ocorre nos regimes ditatoriais e ocorreu durante o regime militar. Vladmir Herzog e Mário Alves são os dois mártires mais conhecidos - mas houve muitos outros, de perfil mais modesto, submetidos à tortura e à morte pelo interior do país.

Há também como amordaça-los: a intimidação, a ameaça à família, a via judicial, e os serviços de repressão. Agora, por exemplo, o governo dos Estados Unidos, que se proclamam a pátria da liberdade de expressão, se apropriou, mediante agentes secretos, clandestinamente, de gravações feitas pelos repórteres da Associated Press, em flagrante violação da Primeira Emenda da Constituição. Obama, eleito em nome da esperança, prefere defender o Tea Party, partido de extrema-direita, acusado de sonegar impostos.

 

Veja também:

>> Você já ouviu falar em ápice da tranquilidade? Então veja este vídeo

>> Conheça a história de 5 crianças que foram criadas por animais

>> Vídeo que caiu na rede mostra os supostos seguranças aliens de Barak Obama - veja o vídeo

>> Luana Piovani recorre a insultos para atacar corintianos

>> Jogo de Sete Erros: James Akel aponta os erros cometidos por Glória Perez em 'Salve Jorge'

>> Dirceu defende investigação do papel da mídia em 64 pela Comissão da Verdade

>> PSDB, petróleo e interesse nacional:um antagonismo inconciliável

>> Feira de segurança traz alarme de bolsa e "Lembra bebê"

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Como matar jornalistas no Brasil - Por Mauro Santayanna
 

Copyright 2019 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!