• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 
Audiência na TV

Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

Você é um abolicionista moderno ou escravagista?
Audiência na TV

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook

Conexão TV

Domingo, 10 de Dezembro de 2017

Morre aos 98 anos a atriz Eva Todor

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > cultura > novas mídias

Cultura - Novas Mídias

 

Segunda-feira, 31 de Agosto de 2015

Cachorro que é mascote do Botafogo faz 70 anos e terá festa

Da Redação

Não é todo dia que um cachorro, mesmo um vira-lata dos bons, faz 70 anos. Mas como tem coisas que só acontecem com o Botafogo, a dádiva tinha que ter a cara do alvinegro carioca. Embora na segunda divisão do Brasileiro, o torcedor do Botafogo não deixará passar em branco a comemoração. Ela vai ocorrer no Bar Carioca da Gema, do alvinegro Thiago Cesário Alvim, no dia 14 de setembro - dia de nascimento do mais longevo animal/mascote de um time de futebol. O texto é dos jornalistas Fábio Lau e Zé Sérgio.

ESTÁ CHEGANDO O ANIVERSÁRIO DO BIRIBA



(Texto de Fabio Biriba Lau e José Sergio Biriba Rocha)

No próximo dia 14 de setembro, segunda-feira, um grupo de torcedores do Botafogo têm encontro marcado no bar Carioca da Gema (Mem de Sá nº 79, Lapa) para festejar os 70 anos de seu eterno mascote Biriba (na foto, liderando a parada da vitória no campeonato carioca de 1948), o vira-lata mais sacana da história do futebol mundial.

A concentração será a partir das 18 horas, com promoção de chope até 21h30 para quem estiver trajando a camisa do aniversariante ou do Glorioso.

Filho de uma fox terrier e de pai desconhecido, Biriba nasceu em 1945 numa esquina de Copacabana, nas imediações da Rua Miguel Lemos, onde viveu nas calçadas até ser adotado pelo zagueiro Macaé.

Mas foi aos 3 anos de idade que ficou conhecido. No ano de 1948, sob a batuta do presidente Carlito Rocha, o Botafogo sonhava com o título que não vinha desde o tetracampeonato de 1932-33-34-45. O dirigente via sua imagem de empreendedor e apaixonado torcedor ser trocada pela de azarado. Muitos já desconfiavam do seu talento como gestor. Foi quando um fato novo surgiu e entrou para a história do clube. E era uma história de quatro patas.

Um vira-lata preto e branco foi levado a General Severiano pelo zagueiro titular, Macaé. O cão, arisco e determinado, só permitia que Carlito, além do próprio Macaé, o pegassem no colo. E foi assim, quase cumprindo um ritual, que o presidente apresentou um a um aos atletas o cachorro que tinha nome para lá de incomum: Biriba. O nome não veio por acaso: tratava-se do jogo de cartas que atletas apostavam valendo dinheiro antes dos jogos num período pré-concentração.

E no terceiro jogo do campeonato carioca, Macaé fez o cão, que até então só era íntimo de alguns jogadores, virar uma celebridade. Levou Biriba para o gramado e o soltou. A festa na arquibancada foi imediata por uma razão: os juízes ingleses, que estreavam no futebol do Rio, com sua fleuma de lordes reverentes à Rainha, se irritaram com a presença do cachorro e mandaram que o tirassem.

Funcionários, policiais, atletas, ninguém conseguia alcançar o cão. E os próprios juízes, com seus cabelos engomados, partiram para cima. E Biriba, que ainda não conhecia Garrincha, driblava um a um.

Os jogadores adversários, do Madureira, também tentaram sem sucesso agarrar o mascote pelo rabo, orelha, focinho. Que nada!!! E a arquibancada, em peso, gritava "Olé!". Biriba só saiu de campo, para começar a partida, quando cansou e foi finalmente apanhado por Carlito Rocha.

O placar do jogo preliminar determinou a sorte do cão e a importância que teria na história: Botafogo 10 a 2. A partir daí, Biriba seria presença obrigatória em partidas no Rio, no Brasil e no exterior. Fizesse chuva ou sol.

Sua morte foi devidamente registrada pelos jornais no dia 11/8/58). Curiosamente, o cão surgiu com um título e despediu-se com outro, o de 1957. E como se a torcida já preparasse a despedida do mascote, que morreria no ano seguinte, gritou seu nome na arquibancada do Maracanã.

Não se tem notícia de um estádio inteiro (100 mil pagantes) prestando tamanha homenagem a um cachorro.

Camisa comemorativa
Camisa comemorativa  

 

Veja também:

>> DCM: Globo bate em Lula para inviabilizá-lo em 2018

>> Com apenas quatro chutes e dois dribles em seis jogos, Ronaldinho coleciona vaias no Fluminense

>> Jogadores de futebol não aguentam orgia, revela Andressa Urach - entrevista

>> "Celebridades escandalosas" expõem seus dramas em livros sob medida para vender no Natal

>> Haiti: morre segundo comandante brasileiro que servia na missão no país

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Cachorro que é mascote do Botafogo faz 70 anos e terá festa
 

Copyright 2017 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!