• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 

Conexão TV

Terça-feira, 13 de Fevereiro de 2018

Leilane Neubarth é tema de Leonardo Boff por conta do constrangimento - vídeo

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > cultura > música

Cultura - Música

 

Quarta-feira, 14 de Fevereiro de 2018

Sambas revolucionários costumam ser punidos no Carnaval

O Carnaval de Sertões em 1976: consagrando a escola
O Carnaval de Sertões em 1976: consagrando a escola
Por Fábio Lau

Há otimismo e pessimismo em demasia quanto a sorte da Paraíso do Tuiuti neste Carnaval de 2018. E as correntes não estão exatamente exagerando. Bons sambas, polêmicos e políticos, já foram consagrados pela massa, mas nem por isso salvaram suas escolas. A Paraíso do Tuiuti poderia figurar neste grupo? Sem dúvida. Exatamente porque, hoje, com o país dividido politicamente, é sabido que entre os juízes haverá aqueles que se sentiram incomodados com o ânimo contestatório da escola de samba de São Cristóvão - vizinha da Mangueira. A história tem pelo menos dois bons exemplos para confirmar a tese.



Os Sertões, samba levado pela Em Cima Da Hora para a avenida em 1976, uma obra prima imortalizada pela cultura popular, entoado em plena ditadura, não salvou a escola do rebaixamento - e sua quase extinção tendo em vista que nunca mais voltou para o grupo de elite. E talvez tenha sido a obra irretocável de Edeor de Paula, inspirada no livro do mesmo nome de Euclides da Cunha, a razão da queda e do quase banimento. Não lembra ou não conhece, clique no vídeo.



O samba da Academicos de Santa Cruz, Os Heróis da Resistência, que homenageou os jornalistas do Pasquim, em 1990, tendo a irreverência política como enredo, também foi punido com o rebaixamento. A escola conseguiu reunir grandes nomes que deram alma ao período político conturbado de um Brasil pós AI-5: Ziraldo, Jaguar, Sérgio Cabral, Tasso de Castro e outros mais. Mas o Brasil de então era controlado por um grupo oriundo da ditadura - governo Fernando Collor de Mello. O samba naufragou.



E então, não duvide, juízes reacionários podem ter, sutilmente, armado para a Tuiuti. Menos um décimo aqui e outro acolá e a jogam no limbo. Além disso, a Beija-Flor, com seu protesto Nutela, pró-Sérgio Moro, pode ter ocupado o lugar do climão de protesto.

Mas a escola já está na história. A Tuiuti, em poucos minutos, fez o que o grito de brasileiros não conseguiu nestes últimos anos três anos: revelar ao mundo que vivemos um golpe político, jurídico e midiático. A obra do carnavalesco Jack Vasconcelos, assim, já marcou seu tempo. O preço pode ser alto? Claro. Mas a história cumpriu o papel e a Tuiuti imprimiu digitais nesta galeria de campeãs - com ou sem título.

Santa Cruz e a magia de cantar os Heróis da Resistência em 1990
Santa Cruz e a magia de cantar os Heróis da Resistência em 1990  


Samba da Santa Cruz:

Heróis da Resistência:

Autores: Zé Carlos, Carlos Henri, Carlinhos de Pilares, Doda, Mocinho e Luis Sérgio
Intérprestes: Carlos Miguel Marques, o Carlinhos de Pilares
Carnavalesco: José Felix.

Oh! Divina luz que nos conduz
Com bom humor e irreverência
Hoje ninguém vai nos "gripar"
Somos os heróis da resitência
Vamos "pasquinar", recordar
Sorrir sem censura
Botar a boca no mundo, buscar bem fundo
Sem a tal da ditadura

Soltavam as bruxas, o pau comia
De golpe em golpe, quanta covardia!

Venha com a gente, povão
Abra o seu coração
Para o Pasquim, o "pequenino imortal"
Simbolizado pelo sacana ratinho
Mesmo bombardeado, virou paixão nacional
Aí, na palidez da folha
Imprimimos peresonagens geniais
Lindas mulheres espelhando nossas páginas
Ipanema foi o centro cultural
Hoje, essa história é carnaval

Gip, gip, nheco, nheco
Por favor não apague a luz!
Goze desta liberdade
Nos braços da Santa Cruz



Os sertões:
Autor: Edeor de Paula

Marcado pela própria natureza
O Nordeste do meu Brasil
Oh! Solitário sertão
De sofrimento e solidão
A terra é seca
Mal se pode cultivar
Morrem as plantas e foge o ar
A vida e triste nesse lugar

Sertanejo é forte
Supera miséria sem fim
Sertanejo homem forte
Dizia o poeta assim

Foi no século passado
No interior da Bahia
O Homem revoltado com a sorte
Do mundo em que vivia
Ocultou-se no Sertão
Espalhando a rebeldia
Se revoltando contra a lei
Que a sociedade oferecia

Os Jagunços lutaram
Até o final
Defendendo Canudos
Naquela guerra fatal



O samba antológico da Paraíso do Tuiuti
O samba antológico da Paraíso do Tuiuti  

 

Veja também:

>> Leilane Neubarth é tema de Leonardo Boff por conta do constrangimento - vídeo

>> Tuiuti e o perigo que ronda a Globo

>> Carnaval mostra que a anestesia pós-golpe já passou, diz blogueira

>> O carnavalesco da Paraíso da Tuiuti vira ídolo nacional

>> Moacyr Luz e Juliana Paes são assaltados próximo ao Sambódromo, no Rio

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Sambas revolucionários costumam ser punidos no Carnaval
 

Copyright 2018 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!