• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 

Conexão TV

Quinta-feira, 10 de Outubro de 2019

Guga Chacra "esculacha" Eduardo Bolsonaro

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > cultura > música

Cultura - Música

 

Quarta-feira, 06 de Março de 2019

Ponografia de Bolsonaro torna-o passível de impeachment, diz Reale

Janaína e Reale: ela faz silêncio sobre o crime apontado por ele
Janaína e Reale: ela faz silêncio sobre o crime apontado por ele

Ao divulgar vídeo ofensivo e pornográfico, com elementos que nada condiz com seu cargo e a imagem que se espera de um chefe de governo, o presidente Jair Bolsonaro incorreu em crime que pode resultar no seu impeachment. A avaliação foi feita pelo jurista Miguel Reale Júnior que defendeu a tese do impedimento de Dilma Rousseff mesmo não tendo ela cometido qualquer crime - ao contrário de Bolsonaro.



Segundo ele, a divulgação de um vídeo contendo atos obscenos pelo presidente Jair Bolsonaro configura quebra de decoro e pode justificar a abertura de um processo de impeachment. E foi além: o presidente pode ser enquadrado na lei 1.079 de 1950, que diz que é crime contra a probidade na administração pública"proceder de modo incompatível com a dignidade, a honra e o decoro do cargo".

Para Reale, a possível quebra de decoro por parte de Bolsonaro foi reforçada pela falta de necessidade da divulgação vídeo com o conteúdo obsceno. "O que eu destaco é a absoluta desnecessidade de enviar este vídeo abjeto ao povo brasileiro para denunciar algo que tinha sido visto, previamente, por algumas centenas de pessoas", disse o advogado ao jornal O Globo.

Reale destaca, ainda, que a postagem feita por Bolsonaro não tinha como objetivo denunciar um ato obsceno, mas desmoralizar os blocos que fizeram críticas contra o seu governo durante o carnaval. "Não foi para denunciar. O presidente tem outros meios muito mais hábeis para isso do que publicar no Twitter. Inclusive, aparentemente, quem estava nesse bloco diz que foi um ato isolado de um sujeito bêbado", observou.

"Um auxiliar, reservadamente, poderia fazer isso junto à autoridade policial. Com a divulgação, ele deu exposição a um fato restrito, sem nenhuma necessidade: ou seja, ampliou o ato. Algo que seria visto por algumas pessoas foi visto pelo Brasil inteiro", completou.

No impeachment, Reale Júnior atuou auxiliador pela também advogada Janaína Paschoal, eleita deputada estadual pelo partido de Bolsonaro. Ela ainda não se manifestou sobre a ação do seu líder.

 

Veja também:

>> Vídeo escatológico de Bolsonaro é um pedido de socorro

>> Gastos "secretos" de Bolsonaro batem recorde com cartão corporativo

>> Chico Alencar: temos que combater a corja que acredita em Bolsonaro

>> Bolsonaro vira assunto na imprensa mundial após vídeo ponográfico

>> Marchinha ironiza o vício de Cabral por dinheiro

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Ponografia de Bolsonaro torna-o passível de impeachment, diz Reale
 

Copyright 2019 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!